Ministros do STJ batem boca em julgamento da Vasp “Zumbi é vossa excelência”

O duelo entre os juízes provocou risos na plateia e foi preciso que o ministro Francisco Falcão interviesse.

O duelo entre os juízes provocou risos na plateia e foi preciso que o ministro Francisco Falcão interviesse.

O julgamento de um processo nesta quarta-feira (14/12) envolvendo a massa falida da Vasp elevou os ânimos dos ministros da 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os ministros Herman Benjamin e Napoleão Nunes Maia Filho, relator do recurso, bateram boca e trocaram acusações.

“Estamos tratando de esqueletos que drenam o dinheiro do Estado brasileiro, são verdadeiros zumbis”, afirmou Benjamin, que preside a seção, ao se referir à companhia aérea falida. Trata-se do EREsp 1003385/SC.

“O zumbi aqui é vossa excelência”, retrucou Nunes Maia. “Não vou admitir que vossa excelência me critique aqui, que faça insinuações maliciosas”, continuou.

O duelo entre os juízes provocou risos na plateia e foi preciso que o ministro Francisco Falcão interviesse. “Por favor, excelências, todos os presentes aqui estão presenciando esta cena”.

O quiproquó entre Herman e Napoleão diz respeito a uma discordância sobre a inconstitucionalidade da incidência de ICMS sobre serviços de transportes aéreos. Para o relator, a Vasp teria legitimidade para postular a restituição do imposto.

Segundo Benjamin, essa matéria havia sido tratada em abril deste ano – com entendimento contrário – em processo envolvendo a extinta Varig.

“Vossa excelência não é o defensor da Vasp. E no seu voto há a inclusão das parcelas atingidas pela prescrição”, apontou Benjamin.

Napoleão apresentou voto no sentido de conhecer e prover o recurso, reconhecendo a legitimidade da Vasp pra pleitear a restituição do tributo recolhido indevidamente.

Após a briga, o ministro Sérgio Kukina apresentou voto-vista divergindo de Napoleão. Foi acompanhado pela maioria dos ministros, com o argumento de que o processo não poderia ser analisado por óbice da Súmula 7, do STJ.

Os ministros Francisco Falcão, Og Fernandes e o próprio Benjamin não votaram.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Anterior «
Próximo »

Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

  • facebook
  • googleplus

Deixe uma resposta

Direto de Brasília