fbpx
Morre atriz pornô que acusou colega de profissão de abuso sexual

Amber Rayne tinha 10 anos de carreira e revelou que o ator James Deen a abusou emocionalmente e fisicamente

A atriz pornô Amber Rayne foi encontrada morta em sua casa no último fim de semana. Amber, que tinha 31 anos de idade e na verdade se chamava Meghan Wren, foi uma das oito mulheres a denunciar o também ator de filmes adultos James Deen por agressão sexual dentro e fora dos sets de filmagens.

Ainda não se sabe o motivo da morte da atriz, mas segundo o jornal “Daily Mail”, a suspeita é que ela tenha tido uma overdose. Há 10 anos na indústria pornográfica, Amber revelou em entevista que venceu um câncer no útero, após quimioterapia.
No início de sua carreira e em um dos primeiros filmes com Deen, a atriz revelou que ele a socou no rosto e manteve relações sexuais tão fortes durante a cena que ela teve sangramento, além de sofrer constantemente com seu comportamento abusivo.
Em 28 de novembro, a atriz de filmes pornô Stoya acusou de estupro o também ator pornô James Deen.

As acusações de Stoya precipitaram uma série de acusações similares por parte de várias mulheres. Deen, provavelmente a maior estrela do cinema adulto, seria um “Bill Cosby do pornô”. Eis um guia para entender as acusações contra ele e o desenrolar do escândalo.

Quem é James Deen?

James Deen, cujo nome real é Bryan Sevilla, atua em filmes pornôs desde 2004 (e sim, seu nome artístico é uma referência ao famoso ator James Dean).

Apesar de ter aparecido em vários tipos de filmes pornô, ele é mais conhecido por cenas violentas e de bondage e S&M (sadomasoquismo).

Bonito e com cara de “gente normal”, o ajudou a ganhar fama entre as mulheres, especialmente as mais jovens, que adotaram o nome de “Deenagers” (um trocadilho com a palavra “teenager”, que significa adolescente em inglês).

Deen também tinha forte associação com o feminismo – apesar de negar abertamente ser feminista e fazer piadas de mau gosto sobre estupro.

Amanda Hess, da Slate, especula que suas credenciais feministas na verdade pertencem às fãs – ela acha que a popularidade mainstream de Deen ajuda as jovens a discutir a abertamente pornografia e sexualidade.

A diretora, escritora e atriz pornô Stoya tuitou em 28 de novembro que tinha sido estuprada por Deen. Não está claro se algum evento levou Stoya, que também é ex-namorada de Deen, a fazer a denúncia. Ela escreveu que é “um saco” ver Deen sendo elogiado como feminista e que não conseguia mais “assentir e sorrir” quando as pessoas falavam dele.

A declaração de Stoya abriu as portas para várias outras acusações – muitas das quais partindo de outras atrizes pornô que trabalharam com Deen.

Quem fez acusações contra Deen, e o que estão dizendo?

Stoya foi namorada de Deen e primeira a denunciar abusos
Stoya foi namorada de Deen e primeira a denunciar abusos

A atriz e diretora Stoya o acusou de estupro, dizendo que ele “me segurou e me fodeu enquanto eu dizia não, pare, usando minha palavra de segurança”. Depois,Stoya disse ao The Guardian que ela e Deen não estavam trabalhando quando ocorreu o incidente.

Stoya afirmou que veio a público porque “não conseguia suportar a ideia de que algo terrível possa estar acontecendo com mais mulheres pelas mãos, ou mais provável, pelo pau dele, por causa do meu silêncio”.

A atriz pornô Tori Lux escreveu um ensaio para o The Daily Beast dizendo ter sido atacada por Deen num set de filmagem em 2011.

Lux afirma que Deen a abordou e pediu que ela “cheirasse seus testículos”. Quando ela disse não, ele teria a segurado e batido em seu rosto várias vezes, forçando-o contra sua virilha. Lux disse que havia outras pessoas presentes, mas ninguém fez nada para impedir a agressão.

A atriz pornô Ashley Fires disse em entrevista ao The Daily Beast que Deen “quase a estuprou”, também numa filmagem.

Fires diz que Deen a abordou quando ela estava saindo do chuveiro e tentou penetrá-la. Então ele teria forçado o rosto de Fires na pia, só parando quando ela gritou “não”. Ela disse também que Deen pediu que o incidente não fosse revelado.

T.M., uma mulher identificada apenas por suas iniciais, disse ao LAist que Deen a forçou a fazer sexo oral na frente de um grupo de pessoas em uma festa em Las Vegas, em 2009.

O autor da matéria do LAist disse que conhecia a fonte pessoalmente e que T.M. havia mencionado o incidente no passado, mas só decidiu vir a público depois de outras mulheres fazerem o mesmo.

A atriz pornô Amber Rayne disse ao The Daily Beast que ela e Deen estavam gravando uma cena de sexo anal quando Deen de repente ficou violento, aparentemente porque ela o chamou de “filho da puta”.

Ela disse que começou a ser penetrada com tanta violência que “sangrou por toda parte” e foi parar no hospital. Ryan não especificou o ano do incidente, mas disse que a cena foi lançada em 2006, num filme do falecido diretor Chico Wang.

atriz pornô Kora Peters disse ao The Daily Beast que Deen tentou fazer sexo anal numa filmagem, contra sua vontade.

Quando ela o empurrou, Peters diz que Deen a sufocou, empurrou seu rosto contra o sofá e “a penetrou forçosamente no ânus”. Peters disse também que a equipe comemorou com Deen e disse que ele tinha feito um ótimo trabalho. Quando ela ligou angustiada para seu agente, disse ter ouvido que deveria “se sentir honrada por James desejá-la tanto”.

A atriz pornô Nicki Blue disse ao The Daily Mail que conheceu Deen em 2011, no estúdio Kink, quando estava começando sua carreira.

Ela gostou de Deen e escolheu o ator para seu primeiro filme, mas, depois, ele a teria atacado num bar. Blue diz que estava fazendo sexo oral em Deen. Quando tentou dizer que ele estava sendo muito violento, Deen empurrou a cabeça de Blue contra seu corpo, tentando engasgá-la.

Deen teria dito: “Meu Deus, preciso ir ao banheiro” antes de urinar na boca de Blue. Ela diz que, “depois disso, ele teve a ideia de colocar uma garrafa na minha bunda. Então fizemos isso”. Ela disse que tentou reclamar de Deen no fórum da Kink, mas seu post foi apagado e ela foi proibida de entrar no site.

A atriz pornô Lily LaBeau disse ao Vocativ que “a coisa mais traumática que aconteceu na minha carreira” foi tomar um tapa na cara de Deen durante a filmagem de uma cena.

“Ele é um psicopata do caralho”, disse ela ao BuzzFeed, acrescentando que Deen costumava incomodar os atores e as atrizes que contracenavam com ele. O ator pornô Derrick Pierre e uma atriz que se mantém anônima corroboraram o depoimento de LaBeau ao Vocativ.

Joanna Angel, atriz pornô, diretora e fundadora do site de pornô alternativo Burning Angel, falou de seu relacionamento abusivo com Deen numa entrevista ao The Jason Ellis Show. Angel namorou com Deen entre 2005 e 2011.

Ela enfatizou que não estava acusando Deen de nenhum crime, só de ser um “namorado horrível”. Mas ela descreveu um incidente em uma transa em que Deen teria segurado a cabeça dela debaixo d’água durante tanto tempo que ela achou que fosse morrer.

A atriz pornô Bonnie Rotten disse ao BuzzFeed que, embora Deen nunca tenha a agredido, o ator fez de tudo para deixá-la pouco à vontade nas duas vezes em que contracenaram. “Ele não gosta de ser um igual”, disse ela.

A atriz pornô aposentada Bree Olson disse via Periscope que, quando estava na indústria do pornô, colocou Deen em sua lista negra porque ele era excessiva e desnecessariamente violento nas filmagens.

Ela também descreveu um incidente em que ele a beliscou com força longe das câmeras só para machucá-la. Olson também afirmou que mais tarde tirou Deen de sua lista negra, quando uma empresa insistiu que eles trabalhassem juntos.

A ex-estrela de reality shows Farrah Abraham disse ao The Daily Mail que foi drogada e estuprada por Deen “só para ele ficar famoso”. Abraham, que namorou com Deen durante alguns meses em 2013, ano que em fez um filme pornô com o ator, já havia dito à revista InTouch que “tinha sido drogada e estuprada mais de uma vez” durante sua passagem pelo cinema pornô.

Na entrevista com o Daily Mail, ela disse que Deen foi o autor do estupro. “Sou grata por ter me separado e superado a pessoa horrível, má, abusiva, o estuprador que é James Deen.”

Deen negou as acusações em uma série de tweets
Deen negou as acusações em uma série de tweets

Como Deen respondeu às acusações?

Logo depois da declaração de Stoya, Deen negou as acusações em uma série de tweets, dizendo: “Respeito as mulheres e conheço e respeito limites tanto profissionalmente quanto na esfera privada”.

Depois de ser acusado de ataques por nove mulheres, o The Daily Beast publicou uma entrevista exclusiva com Deen, na qual ele se disse “chocado” e “perplexo” com as acusações.

Todas elas, disse ele, são completamente falsas ou uma representação distorcida da realidade.

Como outras pessoas responderam?

As produtoras pornô Kink e Evil Angel romperam relações com Deen logo depois das primeiras acusações.

O site feminino The Frisky anunciou que não vai mais publicar as colunas de sexo de Deen.

Deen também renunciou ao cargo de presidente do conselho da APAC, uma organização que defende os direitos dos atores de filmes adultos.

A presidente da APAC, Chanel Preston, atual namorada de Deen, enviou um comunicado ao The Daily Beast:

“Estou envolvida com James. Nunca foi segredo, mas não falamos muito a respeito e público. Obviamente, a situação me causa sentimentos complicados, e estou os navegando da melhor maneira possível.

A comunidade do pornô é pequena e muitos atores tiveram relacionamentos com Stoya e/ou James, portanto vivem essa situação de maneira pessoal. James não está mais envolvido na tomada de decisões nem na direção da APAC.

A APAC divulgou um comunicado de solidariedade a todos os trabalhadores do sexo que foram violentados ou atacados, e o novo conselho de diretores, que consiste de mim, Conner Habib, Ela Darling e Veruca James, vai manter seu compromisso de servir nossa comunidade e oferecer um ambiente seguro e de apoio para os atores.”

Os primeiros tweets de Stoya precipitaram muitas manifestações de apoio da comunidade pornô e do público em geral, muitas vezes sob a hashtag #SolidarityWithStoya (solidariedade a Stoya).

Algumas pessoas, entretanto, questionaram por que ela nunca tinha discutido o assunto publicamente ou por que não procurou a polícia. Esse tipo de questionamento aparece sempre que há uma acusação do tipo. O que nos traz a…

Por que ninguém denunciou isso antes?

Não é segredo que estupro e ataques sexuais não costumam ser denunciados

A polícia é notória por não levar o estupro a sério, e sabe-se que as autoridades costumam culpando as vítimas.

Mesmo que um caso vá a julgamento, é difícil condenar um estuprador – por causa da ausência de provas físicas e porque o público em geral não entende bem o que é estupro.

É ainda mais difícil que a polícia leve a sério acusações de estupro quando elas partem de pessoas que trabalham com sexo, como explicou Tori Lux (http://www.thedailybeast.com/articles/2015/11/30/tori-lux-james-deen-assaulted-me-too.html) em seu ensaio sobre Deen:

“Algumas pessoas para quem contei essa história ao longo dos anos me perguntaram por que não chamei a polícia imediatamente, ou por que não falei publicamente logo depois do incidente. O motivo é que as pessoas – incluindo a polícia – tende a achar que quem trabalha com sexo se coloca em situação de risco e, portanto, não pode ser atacado. É claro que nada poderia estar mais distante da verdade, pois trabalhar com sexo não é a mesma coisa que ser vítima de agressões.”

Nicki Blue fez comentários parecidos.

“Quando você é atriz pornô, especialmente em BDSM, e você diz para um policial: ‘Oh, fui estuprada por um cara depois de fazer uma cena’, eles não vão te levar a sério, como se você fosse uma pessoa normal”, disse Blue ao The Daily Mail.

“Teria me manifestado muito antes se achasse que seria levada a sério, mas isso não aconteceria.”

Além disso, o público é historicamente compreensivo com homens famosos que abusam de mulheres, e não é difícil imaginar que uma celebridade tenha medo de acusar o “menino de ouro” do pornô.

Lily LaBeau explicou para o BuzzFeed que continuou trabalhando com Deen mesmo depois de ser agredida por ele: “O que fazer?”

Stoya também disse que, apesar de haver boatos envolvendo Deen há anos, o estigma que envolve a indústria do pornô dificulta falar publicamente.

“Ninguém falava nada [publicamente sobre Deen]”, disse ela ao The Guardian.

E eu achava que não poderia falar nada. Mas, do que tenho ouvido – porque não estou olhando para os comentários no Twitter –, a conversa tem sido surpreendentemente positiva.

Mas também falam: ‘Bom, não dá para estuprar quem trabalha com sexo’, ou ‘Ela ainda defende o pornô mesmo tendo sido estuprada por um ator’ – todo mundo tem sua própria agenda, e é por isso que eu tinha medo de falar.”

Outras pessoas do meio dizem que as estrelas do pornô evitam chamar a atenção para as agressões por medo de que ativistas usem os episódios para vilificar toda a indústria. Como disse Sydney Leathers ao The Guardian :

“A indústria é tão marginalizada que as pessoas têm medo de falar dos problemas, porque já nos sentimos tão atacados de todos os lados.”

Com informações do IG, BrasilPost, CNNespanol e Huffpost

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta