MP denuncia PM reformado do DF por matar vizinho após briga em grupo de WhatsApp

O Ministério Público do Distrito Federal denunciou o policial militar reformado José Arimateia Costa por matar o vizinho do andar de cima, Adilson Ferreira Silva, depois de um desentendimento em um grupo de mensagens no WhatsApp do condomínio. O crime aconteceu no dia 7 de setembro. Na ocasião, o acusado se aborreceu com uma sujeira que apareceu na varanda do apartamento, que ele supunha ser cuspe.

A discussão começou por volta de 18h por celular. Print da conversa mostra o policial militar mostrando a mancha branca que apareceu na janela do apartamento e acusando o vizinho de ter “cuspido pasta de dente” pela janela.

“Ô sem noção, que mora no 1803-A quando escovar seus dentes, vê se não cospe a meleca na casa dos outros, eu moro aqui no 1703-A e vir essa sujeira que cospiram lá de cima [sic].”

Em resposta, Adilson Silva enviou uma sequência de mensagens e áudios, em que negava a “autoria” da mancha e chamava o vizinho para resolver as coisas “pessoalmente”.

“Meu amigo, tu tá ficando maluco, falando merda. Primeiro, olhe essa merda para depois falar. Me respeite, que educação eu tenho. Não vou escovar porra de dente em varanda. Olha sua porra direito, não fale merda que você não sabe”, diziam as mensagens de WhatsApp.

Mensagens trocadas em grupo de mensagens, antes de crime em Samambaia, no DF (Foto: WhatsApp/Reprodução)

Mensagens trocadas em grupo de mensagens, antes de crime em Samambaia, no DF (Foto: WhatsApp/Reprodução)

“Meu irmão, você tá a afim de resolver sua porra, você venha pra cá e fale, tá bom? Não venha pra cá botar porra de grupo. Você não sabe o que tá falando, não. […] Cheira essa desgraça aí e veja se é uma pasta de dente, rapaz! […] Suba aqui pra gente conversar.”

A discussão virtual cessou e, minutos depois, vizinhos ouviram os tiros no apartamento de Adilson. Em um áudio enviado no mesmo grupo, uma mulher fala sobre o momento do crime. “Já acionei o 190 aqui para chamar a polícia. Mas foi um negócio, assim, violento, e eu vi na hora que ele disparou a arma”.

O PM atirou duas vezes contra Silva. O vizinho, que tinha 36 anos, foi atingido no tórax e morreu no local.

Para o MP, o acusado deve ser julgado por homicídio duplamente qualificado. Segundo a denúncia, o motivo do crime foi fútil e o denunciado usou recurso que dificultou a defesa da vítima. Além disso, o crime ainda teria sido praticado em circunstâncias que geraram perigo comum, uma vez que os disparos foram efetuados no corredor do prédio, colocando em risco a vida de terceiros.

G1

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário