Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

MPF investiga condomínio entregue pelo Governo da Cooperação e Caixa Econômica Federal

0

Em decisão publicada recentemente, a procuradora da República, Gisele Dias de Oliveira Bleggi Cunha, do Ministério Público Estadual, instaurou um inquérito civil público para investigar possíveis irregularidades levantadas no “Residencial Morada do Sul”, beneficiados pelo Programa de Arrendamento Residencial (PAR), fruto da parceria do Governo Federal, através da Caixa Econômica Federal e o Governo do Estado de Rondônia, e levando em consideração que este arrendamento foi idealizado para atender famílias de baixa renda.

Segundo os moradores, há diversas falhas no acabamento da construção do condomínio e no tratamento a eles dado pela administradora, tais como: iluminação pública insuficiente, uso de material de má qualidade nas construções das residências, não fornecimento diário de água potável, dentre outros.

Também pediram ao MPF, via abaixo-assinado, que o valor da taxa de condomínio cobrada pela Luz Administradora seja calculado em 20% (vinte por cento) sobre a menor parcela de arrendamento residencial cobrada pela Caixa Econômica Federal; que sejam assegurados os direitos dos moradores no tocante à acessibilidade, ao direito do idoso e aos critérios exigidos do Ministério das Cidades; que sejam corrigidas as taxas mensais cobradas pela CEF e pela administradora, pois estão acima do percentual permitido para quem ganha até R$ 1.600,00 (mil e seiscentos reais); e que não seja reajustada a taxa de condomínio.

Chamadas a prestar esclarecimentos, a Caixa Econômica e a Luz administradora responderam da seguinte forma para os principais pontos: “Asfalto – (CEF): Internamente, o residencial é todo asfaltado, restando somente um trecho de 40 metros na via principal de acesso até o condomínio, o qual é de responsabilidade do poder público. (Condomínio): O trecho na via principal de acesso ao condomínio é de 120 metros aproximadamente, e está tomado de buracos; Fornecimento de água (CEF): O fornecimento de água é de responsabilidade exclusiva da Caerd, e não da Administradora Luz. Esta não construiu qualquer poço artesiano, nem cobrou nenhum valor relativo ao consumo de água. (Condomínio): Houve cobrança da administradora relativa ao consumo de água; Iluminação – (CEF): A iluminação interna é a aprovada para o projeto pela Caixa. (Condomínio): A iluminação é precária e a reposição das lâmpadas é lenta”.

Diante do desencontro de informações e do jogo de empurra-empurra, o MPF vai convocar novamente todos os envolvidos na situação para apresentarem novas explicações em prazo legal a partir da notificação.

 

Fonte: rondoniavip

Comentários
Carregando