fbpx
Mulher morre após perder 45 quilos em seis meses com dieta radical

Consultora Cíntia Cunha ficou obcecada com o corpo após ouvir que “era gorda e não conseguiria nada na vida dessa forma”

Mais que um problema grave de saúde, um emagrecimento rápido e sem acompanhamento médico pode levar à morte. Foi o que aconteceu com a consultora Cíntia Cunha, de 37 anos.

Pesando 115 quilos, a moradora de São Paulo iniciou uma dieta rigorosa em fevereiro, ingerindo apenas 400 calorias por dia – o equivalente a um pão francês e uma banana, por exemplo. Especialistas afirmam que o adulto médio precisa consumir entre 2000 e 2500 calorias diariamente. Após alguns meses internada e com menos 45 quilos, Cíntia acabou morrendo na madrugada do último domingo, depois de entrar em coma e sofrer falência múltipla dos órgãos.

A amiga da consultora, Lucilene Peters, afirma que Cíntia ficou obcecada com o corpo após ouvir de um rapaz que ela “era gorda e não conseguiria nada na vida dessa forma”.

— Depois desse comentário, ela surtou. Quis emagrecer a qualquer custo. Começou, então, a fazer uma dieta muito severa por conta própria, sem acompanhamento médico, à base de 400 calorias por dia. Ela só tomava suco, não comia mais nada, dizia que era para desintoxicar o organismo. O que aconteceu foi que a imunidade começou a baixar e, como já tinha problemas de saúde decorrentes da obesidade, ficou anêmica — contou a amiga.


Foto: Reprodução / Facebook

O diagnóstico da primeira internação de Cíntia, em março deste ano, apontou anemia. A partir daí, os problemas com a saúde foram se agravando, principalmente devido à fraqueza.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]— Adquiriu uma infecção, pneumonia e teve problemas no fígado e no coração. Cada hora era uma coisa, passava dois, três dias em casa e já voltava ao hospital. Mesmo assim, ela nunca reclamou de sua condição, estava sempre sorrindo — lembra Lucilene.

“Pílula assassina” usada para emagrecimento faz Interpol emitir alerta em 190 países

No dia 17 de abril, Cíntia postou um vídeo no Facebook explicando a sua condição. Bem-humorada, ela conta sobre a sua recente saída da UTI:

— Um dia, uma pessoa me falou que eu não seria ninguém se fosse gorda. E aí o que aconteceu? Emagreci 45 quilos em menos de seis meses. E o resultado é esse: vivo internada na UTI, doente e com risco de vida. Temos que procurar nos amar como somos. Se alguém quer emagrecer, acho que tem que fazê-lo por causa da saúde, e não motivado pela opinião alheia.

Os últimos dias da consultora foram de sofrimento. Ainda de acordo com Lucilene,
os medicamentos já não faziam efeito e as fortes dores eram amenizadas com morfina.

— Ela era uma pessoa muito iluminada, sempre disposta a ajudar os outros. Estava sempre sorrindo, colocava todos para cima. Antes dessa dieta louca, chegou a fazer um acompanhamento nutricional, mas acho que ficou muito abalada com o comentário do rapaz sobre seu peso. O erro dela não foi querer emagrecer, foi fazê-lo da forma errada, muito rapidamente, e todo mundo sabe que não é saudável.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta