Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Na gestão de Bendine, BB concedeu empréstimo polêmico a Val Marchiori

0

Preso nesta quinta-feira (27/7) pela Operação Cobra — 42ª fase da Lava Jato —, o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras Aldemir Bendine esteve envolvido em controverso empréstimo do Banco do Brasil, aprovado em sua gestão, à socialite Val Marchiori. A instituição concedeu R$ 2,7 milhões à empresária em outubro de 2014. Marchiori é amiga de Bendine. À época, o banco informou não haver ilegalidade na operação.

A socialite desejou boa sorte ao amigo quando ele assumiu a presidência da Petrobras, em fevereiro de 2015, e pediu que ele acabasse com corrupção na estatal. No mesmo mês, rumores deram conta da saída do ex-dirigente do cargo. O ministro da Fazenda, na época Guido Mantega, negou sua saída, afirmando que Bendine não estava “demissionário”.

Ainda no ano passado, o executivo pagou multa de R$ 122 mil à Receita Federal após ter sido autuado por não informar a procedência de R$ 280 mil em sua declaração do Imposto de Renda. Bendine afirmou ao fisco que guardou o dinheiro em sua casa.

Em janeiro deste ano, Bendine pagou multa à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para escapar de um processo por ter violado o período de silêncio durante o IPO (oferta pública inicial de ações, em inglês) da BB Seguridade.

Em 2012, uma disputa de poder entre Bendine e Ricardo Flores, à época presidente da Previ (fundo de pensão do Banco do Brasil) fez com que a então presidente da República Dilma Rousseff (PT) interferisse. Ela ameaçou demitir ambos os executivos: “Roupa suja se lava em casa”, afirmou a petista. A disputa de poder começou na Vale.

Prisão
Bendine foi preso nesta quinta-feira pela Polícia Federal, em Sorocaba, no interior de São Paulo. Ele teria pedido, segundo o Ministério Público Federal (MPF), vantagens indevidas ao ex-presidente da empreiteira Odebrecht, Marcelo Odebrecht. O ex-executivo teria pagado R$ 3 milhões ao ex-dirigente da Petrobras. Antes disso, Bendine teria pedido a Odebrecht R$ 17 milhões em propina, enquanto presidia o Banco do Brasil.

Fonte: metropoles.com

Comentários
Carregando