Neudo Campos, ex-governador de Roraima se entrega e deve ficar preso na PF

O ex-governador de Roraima Neudo Campos (PP) deve permanecer preso na sede da Polícia Federal em Boa Vista, até que a Justiça decida onde ele deve iniciar o cumprimento da pena, segundo informou a PF na manhã desta terça-feira (24) ao G1.

Condenado a 10 anos e 8 meses de prisão por envolvimento no esquema de desvio de verbas públicas conhecido como “escândalo dos gafanhotos”, o ex-governador estava com a prisão decretada desde a quinta (19). Ele se entregou na madrugada desta terça na sede do Comando de Policiamento da Capital (CPC), após cinco dias foragido, e foi levado à sede da PF. A defesa não quis comentar o caso.

Conforme o delegado da PF Alan Robson, Campos vai ficar sob custódia na sede da Polícia Federal. Na segunda (23), um sargento e um soldado da Polícia Militar de Roraima foram presos pela PF suspeitos de tentar ajudar o ex-governador a fugir para a Venezuela, país que faz fronteira com Roraima.

Questionado sobre a possibilidade do ex-governador ser levado para presídio federal fora do estado, Robson afirmou que isso “está sendo verificado junto à Justiça”.

“Estamos trabalhando na Justiça para ver qual será o destino dele, que ainda é incerto. Por enquanto, ele ficará preso na PF”, relatou.

Ainda na manhã desta terça, a PF realizou a operação ‘RRYAN’, quando cumpriu sete mandados de busca e apreensão em bairros da zona Leste e Oeste de Boa Vista, na tentativa de localizar o ex-governador.

Na ação, a adjunta da Secretaria de Assuntos Internacionais Fátima Araújo foi detida na própria casa. Conforme a PF, Fátima é suspeita de “coordenar todo o esquema de fuga do ex-governador”. Ela foi levada à Cadeia Pública Feminina.

A PF informou ainda que a investigação continua para apurar a participação de outros servidores públicos e políticos envolvidos no esquema para ajudar o ex-governador a fugir.

Mandados de prisão
A Justiça Federal determinou a prisão de Neudo Campos em razão de sua condenação em um dos processos do “escândalo dos gafanhotos” em fevereiro deste ano. Essa decisão tinha sido suspensa por uma liminar concedida por desembargador do TRF1 em habeas corpus impetrado pela defesa de Neudo.

No entanto, recentemente a 3ª Turma do TRF1 considerou legítima a ordem de prisão emitida pela Justiça Federal de Roraima e, com a rejeição do pedido de habeas corpus, Neudo Campos teve a prisão novamente decretada.

Condenação
O ex-governador foi condenado a 10 anos e oito meses de prisão por envolvimento no esquema de desvio de verbas públicas conhecido como “escândalo dos gafanhotos”, que consistia no cadastramento de funcionários “fantasmas” na folha de pagamento do Estado e do Departamento de Estradas e Rodagem de Roraima (DER/RR), para distribuição dos salários a deputados estaduais e outras autoridades em troca de apoio político.

Em fevereiro deste ano, o Ministério Público Federal (MPF) pediu a prisão de Campos com base no novo entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a possibilidade de cumprimento da pena de prisão após decisão de segunda instância. Porém, ele conseguiu na justiça um habeas corpus que lhe assegurava a liberdade de locomoção.

Em abril, o MPF voltou a pedir a prisão dele por condenação em segunda instância em outro processo do “escândalo dos gafanhotos”. O mandado de prisão foi derrubado por outro habeas corpus expedido pelo TRF1.

No dia 20 deste mês, outros cinco envolvidos no ‘escândalo dos gafanhotos’ durante operação Praga no Egito, deflagrada em 2003, foram presos. Além destes, a PF tentou prender a médica Suzete Macedo de Oliveira, mas ela segue foragida.

G1/Roraima

News Reporter
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta