O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Wilber Coimbra afirmou nesta segunda-feira que a prefeitura de Porto Velho não pode conceder reajuste para o consórcio SIM, responsável pelo transporte urbano em Porto Velho porque o contrato emergencial, que encerra hoje (9/5).

De acordo com Coimbra, a prefeitura já deveria ter dado início ao processo licitatório definitivo e mesmo após todas as determinações impostas pela lei,  o Tribunal de Contas ainda não recebeu nenhum esboço da licitação definitiva para a contratação da nova empresa do transporte coletivo, assim como não recebeu nenhum estudo sobre a viabilidade da concessão do aumento da tarifa.

A licitação de transporte coletivo de Porto Velho causa confusão desde o ano passado, com idas e vindas. Há poucos dias o consórcio apresentou uma nova frota de ônibus para atender a capital. O conselheiro, que sempre defendeu a licitação definitiva, apontou em decisões anteriores que existem fortes indícios de direcionamento na licitação do serviço.

O blogueiro Carlos Caldeira conversou com o conselheiro na manhã desta segunda-feira e são dele as informações.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário