Nove pessoas são presas por desviar R$ 500 mil de sindicato em Rondônia

In Rondônia
Nove pessoas são presas por desviar R$ 500 mil de sindicato em Rondônia

Entre os presos está o presidente do Sindsem, em Ji-Paraná.
Investigações no Sindicato dos Servidores municipais durou 8 meses.

Uma operação da polícia civil cumpriu nove mandados de prisão através da Operação Assepsia em Ji-Paraná, cidade situada a cerca de 370 quilômetros de distância Porto Velho, nesta terça-feira (14). A maioria dos presos são membros do Sindicado de Servidores Municipais (Sindsem). Segundo investigações, o grupo pode ter desviado R$ 500 mil do sindicato.

De acordo com um dos delegados que comandam a operação, Julio Rios, as investigações contra os suspeitos duraram cerca de oito meses e envolveu vários delegados, sendo conduzida pela 2ª Delegacia de Policia Civil. Entre os presos está o presidente do Sindsem e o chefe de fiscalização de tributos do município, apontados como os chefes da organização criminosa.

De acordo com a polícia, os crimes aconteciam desde o ano de 2015 e eram contra a administração pública, onde desviavam dinheiro dos próprios sindicalizados. Ao todo, foram nove mandados de busca, apreensão e prisão em Ji-Paraná. Três pessoas foram conduzidas coercitivamente.

Os investigados deverão responder pelos crimes de organização criminosa, peculato, lavagem de capitais. Os suspeitos também poderão ser indiciados por corrupção e extorsão, conforme a Polícia Civil.

“Vasta prova documental foi apreendida na data de hoje [14] comprovando a prática desses crimes. Eles vão ser indiciados pelos crimes de organização criminosa, peculato, lavagem de capitais e outros crimes que envolvem outros inquéritos policiais, como corrupção e extorsão”, conta o Delegado da 2ª Delegacia de Polícia Civil, Cristiano Matos.

No fim da tarde desta terça-feira, os delegados responsáveis pela operação e um promotor de Justiça do estado participaram de entrevista coletiva e comentaram como os crimes eram praticados e para onde os detidos serão conduzidos.

“A partir do momento em que o sindicato começou a receber diversos alvarás judiciais de altos valores, eles começaram a desviar esses valores, emitindo notas frias para justificar a retirada de grandes quantias do sindicado. O chefe da organização criminosa foi enviado para Porto Velho e os demais foram enviados para presídios da região”, afirma Matos.

Fonte: g1.com

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

You may also read!

Recontagem no AM descobre mais 41 presos foragidos no Ano Novo

Mutirão carcerário analisa processos de 5,2 mil detentos de Manaus

Espalhe essa informação Defensora se espanta com “penas altíssimas” e casos de presos que entraram no sistema em 2014

Read More...
Nomes de Nelson Jobim e FHC voltam a circular como alternativa a Temer

Nelson Jobim: Biografia individual se faz na política, não no Judiciário

Espalhe essa informação Segundo Jobim, “tudo isso faz parte daquilo que hoje nós chamaríamos de ação-espetáculo” O ex-ministro e

Read More...
Após delação, assessor especial de Temer pede demissão

‘Aceito acareação com quem quer que seja’, reage Yunes a operador de Cunha

Espalhe essa informação “Aceito acareação com quem quer que seja ratificando todos os dizeres do meu depoimento”, disse Yunes

Read More...

Deixe uma resposta

Mobile Sliding Menu