Novo Peugeot 208 é bom para os olhos e também para o bolso

Hatch estreia motor 1,2-litro de 3 cilindros e promete ser um dos carros mais econômicos do país. Na crise, vai ser sucesso

O Peugeot 208 mudou. Porém, só irá sentir essa mudança quem puder acelerá-lo. Visto da rua, é mais difícil identificar as atualizações estéticas. A grade frontal ficou mais robusta e as molduras dos faróis de neblina foram redesenhadas. As lanternas agora são em led e ganharam máscara negra. Já a central multimídia oferece o recurso de espelhamento de smartphones, com MirrorLink para Android e Apple CarPlay para iOS.

A grande novidade está sob o capô. A Peugeot aposenta o motor 1.5 litro de 93 cv. Em seu lugar, entra  um 3-cilindros 1,2-litro de 90 cv. Como resultado, o comportamento tanto na estrada quanto na cidade é suave e similar ao 1,5-litro. O desempenho se mostra até superior, pois traz conforto ao motorista ao entregar o máximo de torque antes dos 3.000 rpm. A principal diferença entre os dois motores, segundo a Peugeot, é o 1.2 ser 37% mais econômico que o seu antecessor. Graças a essa eficiência, o modelo conquistou nota triplo A no Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro. Essa classificação quer dizer que o 208 teve nota A em sua categoria, na classificação geral e em nível de emissões de CO2.

Outro ponto positivo na dirigibilidade do 208 é a qualidade acústica. Há de se levar em consideração que os modelos equipados com motores três cilindros são alvo de críticas em relação a um ruído elevado que invade a cabine. Mas não é o caso do Peugeot.

Prova de consumo

Durante o lançamento oficial do modelo, realizado em Fortaleza, houve uma prova de consumo entre os participantes e surpreendeu os números conseguidos em um trecho de pouco mais de 8 km de estrada. O vencedor fez impressionantes 27,8 km/l – uma amostra de que a promessa de ser o modelo mais econômico do Brasil pode ser factível. Em nossa curta convivência com o carro, cerca de 1 hora em trechos urbanos e rodoviários, o computador de bordo apontava um consumo médio de 16 km/l (abastecido com gasolina).

A marca também apresentou um teste de consumo realizado em parceria com o Instituto Mauá. Abastecido com gasolina aditivada em São Paulo, o tanque de 55 litros foi lacrado e o 208 1.2 percorreu 1.002 km até Brasília sem abastecer. Segundo a marca, quando o carro chegou ao destino, o computador de bordo ainda apontava uma autonomia de 200 km.

Porém, todas estas avaliações foram feitas pelo fabricante. Em tempos de crise, é uma grande opção. As informações sobre consumo são do fabricante. A revista especializada Quatro Rodas deve publicar em maio, uma avaliação feita por ela.

208c
Central multimídia agora tem espelhamento para smartphones
208b
Lanternas agora são em led com máscara negra

 

 

News Reporter
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta