Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

“O Pequeno Príncipe” ganha tradução para o tupi

0

Tradução foi feita do francês para o nheengatu, língua derivada do tupi que até hoje é ensinada na Amazônia.

O desafio de traduzir a obra O Pequeno Príncipe, de Saint-Exupéry, do francês para a cultura indígena é tema de dissertação de mestrado da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. A proposta exigiu do autor, além do saber linguístico, profundo conhecimento do repertório cultural de ambos os povos dos textos envolvidos. A tradução foi feita para o nheengatu, língua derivada do tronco tupi, que até hoje é aprendida com o português nas escolas da região do vale do Rio Negro, na Amazônia.

Por ser uma língua historicamente vinculada à oralidade, a escolha da obra para ser traduzida se deu em função de sua importância para a literatura infantojuvenil e da escassez de material escrito voltado para o ensino nas escolas da região amazônica. A ideia foi “dar acesso às crianças indígenas a um clássico da literatura internacional e revitalizar a língua que já foi mais falada que o próprio português no norte do Brasil até o final do século 19”, explica o autor da pesquisa, Rodrigo Godinho Trevisan, da FFLCH. Em visita às comunidades ribeirinhas, Trevisan conviveu com a cultura indígena e esteve atento ao idioma que continua na boca de cerca de seis mil índios e caboclos no Amazonas.

O nheengatu, em algumas comunidades às margens do Rio Negro, é adquirido como língua materna. Nesses ambientes, as crianças são alfabetizadas primeiramente em nheengatu, depois em português. No núcleo urbano, nas poucas escolas em que o nheengatu é ensinado, a língua indígena é estudada de forma semelhante a uma língua estrangeira, sendo o português a primeira língua da alfabetização.

Rodrigo Trevisan, autor da dissertação de mestrado: “A tradução revitaliza a língua que já foi mais falada que o próprio português no norte do Brasil até final do século 19” – Foto: Ivanir Ferreira
Rodrigo Trevisan, autor da dissertação de mestrado: “A tradução revitaliza a língua que já foi mais falada que o próprio português no norte do Brasil até final do século 19” – Foto: Ivanir Ferreira

A tradução foi feita baseada em textos antigos de nheengatu, confrontados com a língua como é falada na atualidade pelas comunidades indígenas. Para que a tradução não ficasse presa ao texto original, o pesquisador precisou explorar recursos linguísticos e estilísticos de ambas as línguas e optou, em muitos casos, por termos equivalentes, adaptações, neologismos e resgate de palavras em desuso.

O desafio já se apresentou logo no título. Para a palavra prince (príncipe), por exemplo, foi preciso buscar adaptações correspondentes. A mais adequada foi muruxawamirĩ, que quer dizer “chefinho” em nheengatu. Embora a expressão fosse antiga e mais utilizada por gerações passadas, o pesquisador optou por ela porque desejava relacionar a palavra que estava em desuso à nomeação de um personagem do livro que era misterioso, de que pouco se conhecia e que apareceu no deserto quase que como uma miragem, longe de qualquer região habitada.

Em alguns casos, Trevisan optou pela escolha de palavras que promovessem uma equivalência parcial de sentidos. Foi o caso dos contos de fadas, a expressão il était une fois (era uma vez) encontrada no início de narrativas de contos infantis foi substituída por paa (contam que), comum em lendas e histórias indígenas. Para outras, foi feita uma adaptação para o ambiente amazônico: tigre foi substituído por yawareté-pinima (onça-pintada); raposa por yawara-kaapura (cachorro-do-mato); blé (trigo) por awatí (milho); e chou (couve) por karurú (caruru).

Amigos não se compram em loja

Pela inexistência da palavra loja na cultura indígena, no trecho do livro em que a raposa dizia ao Pequeno Príncipe que as pessoas só conheciam bem aquilo que cativavam e que o homem não conhecia bem mais nada porque comprava tudo pronto em lojas, as expressões chez le marchand e point de marchand (loja ou comércio) foram substituídas por piripanasawa ruka (casa e compra). Exupéry, que também era piloto, viajou pelo imaginário interpessoal chamando a atenção para a importância dos laços afetivos.”Aqueles que passam por nós não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.”

Já o baobá citado no livro como uma gigantesca árvore de troncos largos que podia arrebentar o solo de um planeta, principalmente se fosse plantado em grande número em um lugar pequeno como o asteroide do Pequeno Príncipe, não foi possível ser adaptado à realidade amazônica. Na mata brasileira, não foi encontrada árvore que pudesse ser associada visualmente ao baobá. Por ter ilustrações mostrando as características da árvore, Trevisan preferiu manter o nome original para “não provocar uma contradição entre a designação e sua representação imagética”.

Além do nheengatu, O Pequeno Príncipe já foi traduzido para mais de 220 línguas e dialetos e é o terceiro livro mais vendido no mundo. A pesquisa que deu origem à tradução para o nheengatu faz parte da dissertação de mestrado Tradução comentada da obra Le Petit Prince, de Antoine de Saint-Exupéry, do francês ao nheengatu, orientada pelo professor Eduardo de Almeida Navarro, do Departamento de Línguas Modernas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

Fonte: jornal.usp

Comentários
Carregando