Brasil

ONG leva testes rápidos de HIV a universidades e boates no Rio

ONG leva testes rápidos de HIV a universidades e boates no Rio

A organização não governamental (ONG) Grupo Pela Vidda-RJ quer dobrar este ano o número de testes rápidos de HIV por fluido oral em relação ao ano passado, quando 2,5 mil foram aplicados. “A meta é dobrar, porque a gente já vem fazendo uma média de 600 testes por mês, ou seja, a gente vai ultrapassar os 5 mil testes”, disse o coordenador de projetos da entidade, Márcio Villard.

Até o começo de maio, a ONG já havia feito 1,7 mil testes rápidos. Esta semana, a ação foi levada ao Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Largo de São Francisco, centro do Rio de Janeiro, onde 100 pessoas fizeram o teste ontem (16), número considerado “excelente” pela organização.

Amanhã (18),o grupo estará no Centro de Artes da Maré, no Complexo do Alemão, zona norte da cidade, e na sexta-feira (19), no centro da capital. Já no sábado (20), a atuação será em uma boate no município de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

O teste de fluido oral não depende de infraestrutura laboratorial. A leitura e interpretação são simples e o resultado pode ser analisado a olho nu em até 40 minutos. O teste detecta anticorpos para o HIV-1 e HIV-2. O kit para a realização do teste foi produzido pelo laboratório Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Para fazer o diagnóstico oral do HIV, é necessário que as pessoas evitem ingerir alimento ou bebida, fumar ou inalar qualquer substância, escovar os dentes e usar antisséptico bucal. Para as mulheres, recomenda-se que não usem batom. O fluido do teste oral é extraído do final da gengiva e do começo da mucosa da bochecha, com o auxílio de uma haste coletora. O aparecimento de uma linha vermelha significa que a amostra não é reagente. Duas linhas vermelhas indicam que naquela amostra há anticorpos anti-HIV, ou seja, o teste é positivo.

Desde 2013, o Ministério da Saúde adotou a política Testar e Tratar, da Organização Mundial da Saúde (OMS), para detecção precoce do vírus da aids. Segundo Villard, quanto mais cedo a pessoa se descobre com HIV, maior é o êxito do tratamento. “Ela consegue controlar o vírus com eficácia muito maior do que quando se descobre doente ou já com certo tempo da infecção. Porque, muitas vezes, a gente se infecta mas não adoece, mas a infecção está se dando dentro do corpo e a gente não sabe que tem o vírus”, explicou.

Preconceito

Segundo Villard, ainda há preconceito sobre a realização de teste de HIV, mas essa realidade está mudando gradualmente, principalmente entre as mulheres.

O foco do Grupo Pela Vidda-RJ é oferecer os testes aos grupos mais vulneráveis à infecção pelo HIV, incluindo os mais jovens, faixa etária em que o número de casos vem aumentando, segundo o Ministério da Saúde.

A ONG atua há 28 anos na defesa de direitos e cidadania das pessoas que vivem com HIV e aids no estado do Rio de Janeiro e foi uma das primeiras organizações fundadas no Brasil por essa parcela da população.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Next article Propagandas do governo de Minas não podem citar antiga gestão
Previous article João Santana rebate ex-ministro de Dilma e o chama de “cínico”

Related posts

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Você pode ser o primeiro a comentar esta postagem postar comentário!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta