Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Organização contra armas químicas ganha Nobel da Paz

0

A Opaq (Organização para a Proibição das Armas Químicas) foi laureada nesta sexta-feira (11) com o Prêmio Nobel da Paz.

O anúncio foi feito pela Comissão do Nobel, em Oslo, na Noruega, que citou os “amplos esforços” da entidade para eliminar os arsenais químicos pelo mundo.
Thorbjoern Jagland, chefe do comitê, disse que a premiação foi um lembrete para os países com grandes estoques desse tipo de arma, como EUA e Rússia, para que se livrem deles, “especialmente porque eles estão exigindo que outros, como a Síria, façam o mesmo”.
“Agora temos a oportunidade de nos livrarmos de toda uma categoria de armas de destruição em massa”, disse. “Será um grande aontecimento histórico se conseguirmos.”
A entidade, baseada em Haia, na Holanda, está atualmente supervisionando, com apoio da ONU, a destruição das armas químicas do regime do presidente Bashar al-Assad, na Síria, em meio à guerra civil que devasta o país e já matou mais de 115 mil pessoas, provocando uma crise humanitária e política que ameaça contaminar a região do Oriente Médio.

A destruição das armas químicas foi definida após um acordo diplomático entre Rússia e Estados Unidos, que impediu um ataque militar americano ao país em crise, que parecia iminente.
A ameaça de ataque americana ocorreu após um ataque, provavelmente com gás sarin, que matou pelo menos 1.429 civis sírios, muitos deles crianças, nos subúrbios da capital, Damasco, em agosto.
O Ocidente, liderado pelos EUA, responsabilizou o regime de Assad pelo ataque.
O governo sírio se disse inocente e afirmou que o ataque foi levado por terroristas ligados à rede da Al-Qaeda.
O prêmio para a Opaq foi comemorado pelos países ocidentais.
Guerra continua
Mas, enquanto a inspeção e a destruição das armas químicas continua, com uma equipe de 27 pessoas em campo, as forças de Assad e os rebeldes continuam se enfrentando pelo país, com armas convencionais.
A entidade Human Rights Watch disse que rebeldes mataram pelo menos 190 civis na província de Latakia em agosto.

 

Fonte: G1

Comentários
Carregando