Padre que atuava em RO é condenado por armazenar vídeos e fotos de crianças e adolescentes

Ministério Público de Rondônia, por meio da Promotoria de Justiça de Ariquemes, obteve junto ao Judiciário a condenação do padre João Serlhorst a um ano de reclusão e 10 dias-multa, em razão de ele ter armazenado em seu computador  material pornográfico envolvendo crianças e adolescentes.

A condenação é resultado ação penal, proposta pela Promotoria de Justiça de Ariquemes, após investigações da Polícia Civil.

De acordo com o Ministério Público, em 2015, o padre, valendo-se da autoridade que exercia como religioso, teria constrangido um adolescente a praticar ato libidinoso, consistente em dar-lhe beijos nos lábios. Denunciado pelo crime de estupro, em razão desse fato, João Serlhorst foi absolvido pelo Judiciário. O MP já anunciou, porém, que vai recorrer da decisão.

À época das investigações realizadas pela Polícia Civil, foi constatado que o religioso armazenava  fotografias de conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes em seu computador particular.

Com relação a esse crime, o Juiz da  2ª Vara Criminal de Ariquemes, Muhammad Hijazi Zaglout,  afirmou ser certa a responsabilidade penal do denunciado, estando o fato perfeitamente enquadrado à norma incriminadora do artigo 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

As informações são do MP

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta