Pai acusa Gol de perder seu filho em voo para Vitória; empresa pede desculpas

In Direito do consumidor
Espalhe essa informação

Criança de seis anos viajou desacompanhado e foi parar em Curitiba

O professor Wanderson Romão, residente em Vitória, no Espirito Santo, acusa a companhia aérea gol de ter perdido seu filho de apenas seis anos. Romão afirma ter comprado passagem com trajeto Rio de Janeiro até Vitória, com taxa extra para que o menor de idade fosse assistido durante o trajeto, mas por erro da companhia o menino teria sido embarcado em voo para Curitiba.

Wanderson Romão fez o relato do seu desespero em sua página do Facebook e informou que seguiu toda a orientação da Gol para a viagem do menor desacompanhado. “Meu filho foi deixado pela mãe no aeroporto do Galeão (RJ) às 16 h e entregue aos funcionários da GOL. Nele foi colocado toda a documentação necessária: Identidade, passagens, e o documento do Juiz que permitia que ele viajasse sozinho apenas para os estados de ES, SP e RJ, aonde temos familiares”.

E qual foi a surpresa de Romão ao perceber que seu filho não tinha desembarcado no voo 2160: o menino não embarcou neste voo. “Foi as piores horas da minha vida, pois percebi que meu filho havia desaparecido. De maneira racional, tive a sensação de que seria impossível que ele tenha perdido o voo e continuar ainda no Galeão, aeroporto do RJ. Aliás, lembrei que moramos no Brasil, e esse foi meu primeiro ponto de partida. Daí começou o desespero e tive que descobri, onde o meu filho realmente estava”, diz o relato.

Descaso

Wanderson Romão afirma que, tanto os funcionários da Gol quanto os da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), nada fizeram para ajuda-lo a encontrar a criança. No desespero, Romão afirma que precisou acionar a Polícia Federal que fica no aeroporto de Vitória e um delegado do aeroporto foi até a aeronave e constatou que a criança de apenas seis anos não estava no local.

 “Liguei para mãe para dar a notícia: Joyce, a GOL sumiu com o nosso filho”.  Após a constatação de que o menino não havia embarcado no voo 2160 saído do Rio de Janeiro com destino a Vitória, que uma supervisora após uma hora de espera, segundo relato no Facebook de Romão, foi informado que seu filho estava em Curitiba, capital do Paraná.

Wanderson Romão acusa a empresa de não ter cumprido com o que foi pago na compra da passagem, que o menino seria assistido o tempo todo por um funcionário da empresa. “Não tinha notícias do meu filho. Não consegui falar com ele. Aliás, em nenhum momento, alguém a GOL me ligou de Curitiba para eu falar com o meu filho. E olha que existe um telefone pendurado em seu pescoço!”, enfatizou em seu relato.

Após toda a confusão o menino embarcou em um voo de volta para o Rio de Janeiro e o professor Wanderson Romão não pode passar o seu aniversário, comemorado no sábado (3), nem montar sua árvore de natal com o seu filho.

Em nota ao Ig, a companhia aérea se desculpou pelo ocorrido. “A GOL pede desculpas aos familiares e ao menor pelo ocorrido e esclarece que houve uma falha no procedimento de embarque da criança, ocasionando a troca do voo. A companhia reforça que a todo momento o menor esteve assistido por um colaborador da GOL e  que imediatamente manteve contato com a família para prestar a assistência necessária. Esclarece ainda que adotará medidas para evitar que situações como essa voltem a acontecer.”

As informações são do IG

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

You may also read!

PM vai "blindar" casa de Temer e diz que impedirá bloqueios em vias de SP durante protesto

PM vai “blindar” casa de Temer e diz que impedirá bloqueios em vias de SP durante protesto

Espalhe essa informação “Não é a primeira vez que uma manifestação tem como destino a casa do presidente. As

Read More...
Na véspera da greve geral, Força Nacional desempacota bombas de gás em Brasília

Na véspera da greve geral, Força Nacional desempacota bombas de gás em Brasília

Espalhe essa informação As proximidades do Congresso também foram gradeadas nesta quinta-feira com objetivo de isolar a Câmara e

Read More...
Empresa da filha de Donald Trump é acusada de usar trabalho escravo

Empresa da filha de Donald Trump é acusada de usar trabalho escravo

Espalhe essa informação Semanas com 60 horas de jornada e pagamento de US$ 1 (R$ 3,18) por hora são

Read More...

Deixe uma resposta

Mobile Sliding Menu