fbpx
Pai pediu guarda de filha, justiça negou; criança de 1 ano e 8 meses morreu por ser “sacudida” pela mãe

Mãe está presa e confessou ter empurrado a filha porque ela estaria “fazendo bagunça”

Uma menina de 1 ano e oito meses morreu após ser agredida pela mãe em Paraty, vítima da “Síndrome do bebê sacudido”. É o que afirma o neurocirurgião Wilson Nakamura, que atendeu a criança no Hospital da Japuíba. Ele mostrou a tomografia do cérebro do bebê e explicou que internamente havia várias lesões.

[ARSocial_Lite_Locker id=1][/ARSocial_Lite_Locker]

“Quando você pega o bebê e balança ele a uma velocidade, pelo cérebro ser um pouco mais pesado, ele faz movimentos de alta velocidade e sofre impacto na caixa craniana. Acontecem lesões. Depende muito da intensidade”.

Valentina Soares de Lima Marinho tinha 1 ano e 8 meses. De acordo com a Polícia Civil, a mãe da menina – Cibele Soares de Lima – foi presa em flagrante na Rodoviária Novo Rio quando tentava fugir. Em depoimento, ela assumiu ter empurrado a filha que estaria fazendo bagunça. No empurrão, a menina caiu e bateu a cabeça no chão. Cibele está presa na unidade feminina de Bangu, à disposição da Justiça.

O pai biológico, José Cícero Marinho da Silva, está inconformado. Um ano atrás ele entrou com pedido de guarda compartilhada da filha. Só que na época o juiz disse que a menina deveria ficar com a mãe, por ser muito nova.

“Eu pedi a guarda da minha filha. Ela se negava. Minha filha agora foi a óbito e só vai me restar lembrança. Meu coração está partido, meu coração está magoado. Com criança tem que ter carinho, amor. E o que a mãe fez para mim é coisa de monstro”.

O caso

Foi constatado o óbito da bebê na madrugada desta terça-feira (4). O Hospital Geral da Japuíba, em Angra dos Reis, onde a criança estava internada, já havia confirmado a morte cerebral na manhã de sábado (1º). A unidade médica informou que a família não quis doar os órgãos do bebê.

O corpo foi sepultado no fim da tarde, no Cemitério Municipal do Bracuí, em Angra dos Reis.

Mãe confessa crime

A mãe confessou o crime à Polícia Civil. Ela alegou ter empurrado o bebê, no sentido de machucá-lo. Com isso, ele bateu a cabeça no chão. Segundo os agentes, a mulher afirmou que a menina estaria “fazendo bagunça” e mexendo em um banco, o que teria levado a suspeita a empurrá-la. A polícia ressaltou que essa é a versão da mãe, mas nenhuma testemunha teria visto isso acontecer.

O bebê foi levado pela mulher na quinta-feira (29) a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município. Logo após, ela foi transferida para o Hospital Geral da Japuíba. A unidade médica e o Conselho Tutelar acionaram a polícia. A suspeita prestou depoimento e foi liberada. Na manhã de sexta, os agentes procuraram a mulher, mas ela não foi encontrada e não atendia o telefone. Com isso, a polícia deu início as buscas.

A mãe da menina foi presa em flagrante na Rodoviária Novo Rio, na Zona Portuária da capital, no fim da tarde de sexta-feira (30) e foi levada para a 167ª Delegacia de Polícia (Paraty), que investiga o caso.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta