Brasil

Para ministro, Rio de Janeiro não precisa de Exército no Carnaval

Para ministro, Rio de Janeiro não precisa de Exército no Carnaval

Sérgio Etchegoyen diz que não há ‘nenhum indicativo’ de que as Forças Armadas precisem permanecer após dia 22 e defende punição a PMs rebeldes

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, general Sérgio Etchegoyen, declarou que, “neste momento não há nenhum indicativo que sinalize a necessidade de as Forças Armadas permanecerem no Rio de Janeiro após o dia 22 de fevereiro”. Ou seja, durante o Carnaval, que começa no fim de semana seguinte.

O general defendeu ainda que os policiais do Espírito Santo e do Rio que fizeram rebelião sejam “enquadrados e punidos”, assim como quem incitou o movimento. Ele destacou, também, que “o governo não vai apoiar qualquer projeto (que começam a tramitar no Congresso) de anistia aos policiais militares”.

Etchegoyen classificou como “genérico” o pedido pela atuação das Forças Armadas feito pelo governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB). O general insistiu que a inteligência do governo, comandada por ele, não vê motivos, neste momento, para permanência dos militares por mais tempo na cidade, incluindo durante o Carnaval, uma vez que o movimento “já está recrudescendo” com pagamento dos atrasados e concessão de um aumento de 7,5%. Ele reconheceu, no entanto, que, “se houver necessidade”, o prazo poder ser estendido, a depender de nova avaliação.

O governador Pezão havia pedido que as Forças Armadas permanecessem nas ruas do Rio até o dia 5 de março, incluindo aí o período do Carnaval. Etchegoyen não quis polemizar ou comentar sobre o incômodo dos militares com esse tipo de emprego constante das Forças Armadas e por tempo prolongado, questionado por oficiais-generais em conversas reservadas.

Eles alegam que deixar as tropas federais durante o feriado, no Rio, seria uma espécie de senha para que os policiais militares prorrogassem a greve e deixassem o Exército, a Marinha e a Aeronáutica assumirem a segurança do Estado. “A missão de Garantia da Lei e da Ordem é constitucional, mas ela tem de ser excepcional, eventual e pontual, não devendo ser prolongada e, sim, limitada no tempo e no espaço”, disse o ministro, reconhecendo que o pedido de Pezão foi “extenso” e “genérico”, mas ressaltou que “as condições e prioridades de emprego serão determinadas pelo Ministério da Defesa”.

Alerj

O ministro Sérgio Etchegoyen descartou a possibilidade de o Exército fazer o trabalho de patrulhamento e segurança da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, durante votações de projetos de interesse do governo local, como também pleiteou Pezão. “As Forças Armadas não irão para a Alerj. Este é um trabalho a ser feito pela Força Nacional e pela Polícia Militar do Rio de Janeiro”, avisou o ministro, ao lembrar que ali tem sido palco de enfrentamento entre manifestantes e policiais, o que certamente exigirá um resposta das tropas de segurança que estiverem no local.

“Os meios das Forças Armadas são inadequados para aquele local porque têm um grau de letalidade incompatível com os distúrbios populares. As polícias têm mais meios e experiência e esta é uma capacidade típica de PM”, explicou.

Fonte: veja.com

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Next article Janot deve pedir novas aberturas de inquéritos contra políticos após o carnaval
Previous article STJ mantém bloqueio de bens de Pezão

Related posts

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Você pode ser o primeiro a comentar esta postagem postar comentário!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta