fbpx
Parlamento venezuelano fica sem luz antes de sessão sobre Maduro

Fornecimento de energia nas instalações do Legislativo foi cortado na manhã desta quinta-feira (27)

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Henry Ramos Allup, afirmou que foi cortado o fornecimento de energia nas instalações do Legislativo nesta quinta-feira (27), para quando se havia convocado uma sessão para discutir a responsabilidade do presidente Nicolás Maduro sobre a crise política no país.

“Aviso: informo que cortaram a eletricidade no Palácio Federal Legislativo e no edifício administrativo da Assembleia Nacional”, informou Allup por meio de sua conta no Twitter.Apesar da falta de energia, a Assembleia pretende manter a sessão que discutirá o processo político contra Maduro. Além dos parlamentares, devem participar do debate organizações da sociedade civil, como sindicatos e agremiações.

PROCESSO CONTRA MADURO

A Assembleia Nacional, controlada pela oposição, aprovou nesta terça-feira (25) iniciar um julgamento “político e penal” contra Maduro para determinar sua responsabilidade na “ruptura da ordem constitucional” após a suspensão da convocação de um referendo contra seu mandato.

Segundo a Folha de S.Paulo apurou, o governo brasileiro vê com reserva o movimento da oposição venezuelana, pois considera que o processo contra Maduro vai acirrar ainda mais os ânimos no país e tende a ter pouco resultado efetivo.

Mesmo que o Legislativo declare a responsabilidade de Maduro, o mandatário só poderia ser deposto após decisão do Tribunal Supremo de Justiça, a mais alta corte do país, controlada pelo chavismo. Antes disso, o processo precisa passar por primeira avaliação no Conselho Moral Republicano -formado pelo procurador-geral, o controlador-geral e o defensor do povo, todos cargos ligados ao governo.

Adversários do chavismo buscam, por meio da pressão no Parlamento, inflamar o descontentamento da população com o governo de Maduro. A Venezuela passa por uma grande recessão, que gera desabastecimento de produtos nos supermercados e a falência de serviços públicos.

Nesta quarta-feira (26), protestos convocados pela oposição em diferentes partes do país deixaram centenas de feridos e presos, além de um policial morto no Estado de Miranda. Os manifestantes exigem a convocação imediata de um referendo sobre o mandato de Maduro.

CRISE POLÍTICA

A crise política na Venezuela se aprofundou desde que o CNE suspendeu, na semana passada, o processo de convocação de um referendo sobre o mandato de Maduro, que termina em 2019.

O órgão eleitoral se baseou em decisões de tribunais penais de cinco Estados, que afirmaram ter encontrado fraudes em assinaturas coletadas pela oposição em maio, na primeira fase do processo.

A oposição acusa o governo de manobrar para que a consulta seja realizada apenas em 2017. Se o referendo ocorrer depois de 10 de janeiro, e Maduro for derrotado nas urnas, assume o vice-presidente, o chavista Aristóbulo Istúriz.

Mas, se a votação acontecer antes dessa data, novas eleições são convocadas em caso de derrota do presidente. Segundo o instituto Datanálisis, 60% votariam para destituir Maduro.

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Deixe uma resposta