Pastores vendem suco de uva “ungido” por R$ 1 mil e revoltam internautas

Pastores fazem parte da igreja Apostólica Plenitude do Trono de Deus

A denominação autointitulada de Apostólica Plenitude do Trono de Deus, está oferecendo suco de uva ungido pela bagatela de R$ 1 mil.
A noticia, de 2014, foi muito comentada na web ao mostrar a imagem dos pastores Agenor e Ingrid Duque “abençoando” e orando com as mãos e os braços dentro de um recipiente que continha suco de uva. Em resposta, a assessoria de imprensa da igreja negou que o suco de uva fosse utilizado para a santa ceia, informou que o suco foi consagrado para ungir os pertences dos fiéis. Mas não negou a venda.
A campanha foi organizada pelo pastor e sua esposa.
Revoltados, internautas comentaram, “que fundamento bíblico há para que eles façam essa ”campanha”? Nenhuma! Essa igreja poderia se chamar ”plenitude das heresias”, pois estes vagabundos ao invés de irem trabalhar, usam o nome de DEUS para lucrar muito dinheiro ao seu favor. O que mais assusta, é que as pessoas caem nestes golpes! As escrituras avisam sobre estes falsos profetas em diversas partes”.
Outros citaram a Bíblia, afirmando, “e por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita. (2 Pedro 2:1-3)”.
A Igreja Apostólica Plenitude do Trono de Deus é uma igreja neopentecostal fundada em São Paulo, em 2006, por Agenor Duque e Ingrid Duque.  Agenor Duque é ex-pastor da Igreja Mundial do Poder de Deus, fundou uma nova denominação religiosa em 7 de setembro de 2006.
Em dezembro de 2015, a revista Época acusou Agenor Duque de charlatanismo, em uma reportagem. No olho da matéria, a jornalista Aline Ribeiro disse: “Numa incansável cruzada por arrecadação, o autointitulado apóstolo Agenor Duque, da Igreja Plenitude do Trono de Deus, pede à plateia que raspe a carteira e que doe até o décimo terceiro salário. Já anda de Porsche e voa de jatinho”.
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

4 thoughts on “Pastores vendem suco de uva “ungido” por R$ 1 mil e revoltam internautas

  1. A impressão que dá desses pastores é que sempre que estão precisando de um extra, pensam:

    “O que é ‘de deus’ que eu posso inventar agora para ungir e vender”?

    Porque gente para comprar, é evidente que vai ter sempre… senão não criariam coisas ungidas cada vez mais criativas…

Deixe uma resposta