fbpx
Pesquisa diz que quem quer viver muito, precisa se alimentar como os orientais

Estudo exalta dieta com pouca comida processados e gordura saturada

A invejável expectativa de vida no Japão está bastante relacionada à dieta típica do país, revela um estudo publicado no periódico especializado “British Medical Journal”.

As pessoas na ilha nipônica consomem alimentos ricos em certos carboidratos, vegetais e frutas, além de, é claro, muito peixe e alguma quantidade de carne vermelha. Esta realidade constitui uma dieta com baixos índices de gorduras saturadas e alimentos processados. A alta taxa de carboidrato vem de fontes como o arroz e os vegetais.

Em 2005, o governo japonês publicou um guia de alimentação saudável. Dez anos depois, pesquisadores do Centro Nacional para a Saúde Global e a Medicina, em Tóquio, investigaram de que maneira a obediência a essas orientações estavam afetando as taxas de mortalidade.

Analisando questionários de saúde respondidos por 36.624 homens e 42.920 mulheres de 45 a 75 anos que não tinham histórico de câncer, derrame e doenças cardíacos ou hepáticas, a equipe concluiu que as pessoas que seguiam o guia alimentar tinham risco de morte reduzido em 15%.

Estas pessoas tinham menos chances de sofrer acidentes cérebrovasculares, que são causados por problemas de circulação sanguínea no cérebro.

“Nossas descobertas sugerem que um consumo balanceado de energia, grãos, vegetais, frutas, carne vermelha, peixe, ovos, produtos de soja, laticínios e bebidas alcóolicas pode contribuir para a longevidade reduzindo o risco de morte, principalmente a morte causada por doenças cardiovasculares, na população japonesa”, concluiu o estudo.

As informações são de O Globo

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta