Petrobras lança plano de demissão voluntária a todos os funcionários

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira um novo programa de demissão voluntária aberto a todos os funcionários, independentemente de idade e tempo de empresa. Segundo a estatal, o objetivo é “adequar sua força de trabalho às necessidades do Plano de Negócios e Gestão, buscando otimizar a produtividade e reduzir custos com foco no alcance das metas”. O período de inscrições começa no próximo dia 11 e vai até 31 de agosto.

Segundo a estatal, cerca de 12 mil empregados têm condições de se aposentar. Considerando essa estimativa de adesão, o custo previsto para a implantação do programa é de R$ 4,4 bilhões. Já a economia esperada com as demissões é de R$ 33 bilhões até 2020. O programa de cortes de pessoal representa 21% do quadro de 57 mil funcionários próprios da Petrobras controladora.

A petroleira diz que o novo plano de desligamento vai preservar o “efetivo necessário à continuidade operacional da companhia e ajuste de pessoal em todas as áreas”.

A estatal, que tem buscado reduzir custos em meio à baixa dos preços do petróleo e alto endividamento, já tinha anunciado na quarta-feira uma redução de sete para seis no número de diretorias e mudanças no modelo de governança e gestão que representam corte de 43% nas funções gerenciais em áreas não operacionais.

A petroleira reportou na semana passada um prejuízo recorde de quase R$ 37 bilhões no quarto trimestre de 2015, afetado por baixas contábeis relacionadas ao declínio do preço do petróleo e à perda do grau de investimento. Em 2015 como um todo, o prejuízo da estatal foi de R$ 34,8 bilhões, ante prejuízo de R$ 21,6 bilhões em 2014.

PRIMEIRA ETAPA

A primeira etapa do programa de demissão voluntária da Petrobras foi lançada em janeiro de 2014 e já concluiu 6.254 desligamentos. Segundo a estatal, outros 1.055 empregados inscritos em 2014 devem deixar a companhia até maio de 2017. Em maio de 2014, a estatal informou que 12% de seu efetivo aderiram ao programa.

Os benefícios oferecidos na nova etapa não foram divulgados. Em 2014, os funcionários que optassem pelo desligamento receberiam de R$ 180 mil a um teto de R$ 600 mil pela adesão. O teto, no entanto, poderia ser ultrapassado no caso dos profissionais que ficassem sete meses no processo de transição previsto pelo programa.

Em 2014, o programa de demissão voluntária incluía os empregados com 55 anos de idade ou mais. Só poderiam aderir ao programa empregados já aposentados pelo INSS que permanecessem trabalhando na companhia e os que possuíam tempo e idade para se aposentar pelo INSS, mas ainda não deram entrada no requerimento da aposentadoria — estes, no entanto, deveriam estar aposentados até o término das inscrições, em 31 de março.

O primeiro programa de demissão voluntária da Petrobras ocorreu em maio de 1998. Na ocasião, em meio à abertura do setor à concorrência, o plano envolvia pessoas que tinham até 20 anos de trabalho e era voltado apenas para as áreas onde havia excesso de pessoal. Em 1990, Luís Octávio da Motta Veiga, presidente da Petrobras à época, promoveu a demissão de cerca de 16 mil funcionários.

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Deixe uma resposta