PF deflagra operação para combater comércio ilegal de anabolizantes

Corporação cumpre 25 mandados em Goiás e outros nove estados no Brasil

A Polícia Federal (PF) realiza a “Operação Veneno” nesta sexta-feira (3), coordenada por Goiás, mas com ações também em outros nove estados. Segundo a corporação, o objetivo é combater o comércio ilegal de anabolizantes no país. Estão sendo cumpridos 12 mandados de busca e apreensão e 13 de condução coercitiva, todos expedidos pela Justiça Federal de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital.

Conforme a PF, em Goiás, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão e dois de condução coercitiva, todos em Aparecida de Goiânia. Os demais são realizados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Tocantins, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Piauí, Ceará e Santa Catarina.

A corporação informou que os anabolizantes investigados têm origem estrangeira, não têm registro da Vigilância Sanitária e não apresentam as qualidades exigidas para o comércio. A PF apurou ainda que os produtos eram enviados para várias cidades do país através dos Correios de Goiânia.

Ainda segundo a PF, os frascos usados na venda dos produtos eram rotulados como óleos de plantas, como laranja, maracujá, gengibre, manga, cravo, canela e abacate. A corporação relata que identificou destinatários nas cidades de Santa Maria (RS), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Santa Rita (PB), São Leopoldo (RS), Porto Nacional (TO), São Paulo (SP), Parnaíba (PI), Erechim (RS), Camocim (CE) e Joinville (SC).

Segundo a corporação, ainda não há registro de prisões, mas os investigados devem responder pelos crimes de contrabando e falsificação de produtos. Se condenados, eles podem ficar presos de 10 a 15 anos.

News Reporter
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta