PF diz que Vale adulterou dados sobre a lama em Mariana (MG)

Com o objetivo de confundir as investigações do desastre em Mariana (MG), a Vale modificou os dados a respeito do volume de lama que a empresa depositava na barragem de Fundão, rompida em novembro de 2015, na cidade mineira, causando um dos maiores estragos ambientais da história do Brasil e resultando ainda em 19 mortes.

A alteração aconteceu após o desastre. A informação está em um relatório da Polícia Federal, obtido pela Folha de S.Paulo. A Vale gerava em Mariana rejeitos como lama, que era destinada à estrutura da Samarco, e arenosos, que iam para o reservatório de Campo Grande.

Em dezembro de 2015, um mês após a tragédia, a mineradora modificou em documentos oficiais informações sobre o teor de concentração do minério que produzia na cidade. Isso fez com que o volume de lama lançado na barragem que se rompeu ficasse menor do que o informado inicialmente pela companhia.

A polícia considerou que o volume de água presente nos rejeitos depositados foi uma das causas da ruptura. A Vale, por sua vez, admitiu as alterações, mas pontuou dizendo que fez “correções”, tudo dentro da transparência com as apurações. Entretanto, o texto do relatório aponta outra coisa.

“Tal fato tem ocorrido para que a Vale se exima de suas responsabilidades com relação aos rejeitos depositados pela mesma na referida barragem”, diz a escrita, conforme publicado pela Folha.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário