fbpx
PF prende em RO suspeito de levar brasileiros ilegalmente para os EUA

Operação visa desarticular organização criminosa de ‘coiotes’.
Ainda não foi descoberta localização dos brasileiros desaparecidos, diz PF.

A Polícia Federal (PF) prendeu na manhã desta sexta-feira (13), em Ji-Paraná (RO), durante a Operação Piratas do Caribe, uma pessoa suspeita de participar de uma organização criminosa de ‘coiotes’ responsável por levar brasileiros ilegalmente para os Estados Unidos (EUA). Os policiais também cumpriram um mandado de busca e apreensão em Ariquemes (RO), no Vale do Jamari. Conforme a PF, ainda não foi descoberta a localização dos 12 brasileiros desaparecidos em novembro do ano passado nas Bahamas.

A Operação foi deflagrada nos estados de Rondônia, Santa Catarina e Minas Gerais. Segundo o delegado da PF, Raphael Baggio de Luca, a ação visa desarticular uma ramificação brasileira de uma organização criminosa que transporta brasileiros de forma ilegal ao exterior, principalmente aos Estados Unidos, via Bahamas.

Conforme Luca, o grupo de 12 brasileiros desaparecidos foi transportado por esta organização. “Dentre as pessoas que esta organização transportou, encontram-se 12 brasileiros que estão desaparecidos”, disse.

O objetivo desta fase da investigação é colher provas de onde estejam estes brasileiros e verificar o grau de envolvimento de outras pessoas neste esquema, “que não só envolveu brasileiros como outras pessoas do estrangeiro”, informou o delegado.

Luca explica que a PF está trabalhando em conjunto com o Itamaraty em busca da localização dos brasileiros, mas até o momento ninguém foi encontrado. “Vamos continuar em busca deste pessoal, até obtermos uma resposta”, disse.

Cerca de 30 policiais participaram da operação no cumprimento de sete mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva nos três estados. De acordo com a PF, a operação é resultado de investigações que começaram a partir do desaparecimento de um brasileiro que teria tentado entrar ilegalmente nos Estados Unidos.

Como funcionava o esquema

A PF explica que existia um grupo no Brasil que aliciava o brasileiros que tinham vontade de morar nos EUA. Do Brasil, essas pessoas eram levadas ao Panamá e depois para as Bahamas. No aeroporto, havia um guichê específico marcado para a passagem dos brasileiros, onde teria um funcionário da organização criminosa. O brasileiro deveria ser um dos 10 primeiros passageiros a desembarcar.

“Quando chegavam nas Bahamas, ficavam em uma casa pelo tempo que a organização determinasse, até receber a ordem para embarcar via barco das Bahamas para os Estados Unidos, na região da Flórida”, disse o delegado.

A promessa era que os brasileiros atravessariam em um iate, mas a realidade era outra. “Na verdade, colocam em um barco, canoa, embarcações péssimas. Faziam as atravessias de forma perigosa, à noite. Durante o dia, ficavam escondidos em ilhas na região, sem alimentação, sem bebida, para continuar a viagem à noite. Tudo para ludibriar a fiscalização”, afirmou Luca.

O preço cobrado pela organização varia, conforme o delegado. “Teve quem pagou R$ 40 mil, outros R$ 60 mil. Um grupo de quatro pessoas daria uma casa para atravessar, é nesta média de preço”, informou.

Fonte: g1.com

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Deixe uma resposta