Pirarucu se destaca no cardápio do Festival Gastronômico ‘Cacoal Sabor’

Aos poucos a cidade de Cacoal vai ampliando seu título de “Capital do Café” para “Capital Gastronômica” de Rondônia. Foi lançada a 11ª edição do tradicional Festival Cacoal Sabor, que atrai para a cidade visitantes de outros municípios e até mesmo de outros estados.

“Este evento fortalece a categoria e promove a nossa economia, pois, além dos clientes locais, atrai pessoas de outras cidades que visitam Cacoal para prestigiar os restaurantes que fazem parte do festival neste período. Isso fomenta não só a economia do setor gastronômico, mas a hotelaria, postos de gasolina, entre outros”, comentou o empresário Cledivaldo Scaramuzza, do Restaurante El Sossego, que trouxe para o Cacoal Sabor o pintado ao molho de tucupi.

O festival tem duração de um mês, e desde segunda-feira os pratos passaram a ser oferecidos nos estabelecimentos responsáveis por sua preparação. O evento faz parte do calendário de aniversário de Cacoal, que comemora 38 anos de emancipação político-administrativa, no próximo dia 26. Apesar do período de um mês de duração do festival, muitos pratos fazem tanto sucesso que são integrados ao cardápio dos restaurantes pelos quais foram elaborados.

Nesta edição, participam do festival gastronômico 18 estabelecimentos, que para a produção dos 18 pratos inéditos do festival contam com a supervisão e orientação de chefes de cozinha do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). Ao longo do período de criação dos pratos, os chefes do Senac visitaram os estabelecimentos, dando dicas de como incluir ingredientes típicos da região amazônica nos pratos, como açaí, castanha, cupuaçu, goiabada, ervas, temperos, peixes regionais, pimentas, tucupi.

“O festival surgiu com o objetivo de chamar atenção para a gastronomia de Cacoal e, com isso, agregar mais valor, inovando o segmento. E isso tem dado certo, tanto é que neste ano chegamos à 11ª edição”, destacou o presidente da Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel) em Cacoal, Tiago Brollo, responsável pela organização do festival.

Para a organização do Cacoal Sabor 2015, a Abrasel/Cacoal conta com o incentivo do Governo de Rondônia, por meio da Superintendência de Turismo (Setur), com recursos de emenda parlamentar da deputada Glaucione Rodrigues.

Entre os pratos criados para o Cacoal Sabor, um item se destacou. O pirarucu está presente como ingrediente principal em cinco, dos 18 pratos oferecidos. A opção por incluir no cardápio o pirarucu mostra a força deste peixe que vem ganhando cada vez mais espaço na culinária e na economia rondoniense.

“Estamos usando o pirarucu para valorizar os produtos da nossa região. Por ser um produto que hoje conseguimos adquirir de vários fornecedores, queremos mostrar que podemos fazer vários pratos e incluí-lo na nossa alimentação.

Hoje temos muitos produtores em nosso estado e o preço está bem mais acessível”, destacou o empresário Delmar Sepp. Os pratos apresentados pelos dois restaurantes do empresário no Festival Cacoal Sabor têm o pirarucu como ingrediente principal. “Através do Toldu’s apresentamos o pirarucu ao molho de castanha e com a Churrascaria Costelão levamos para o público o pirarucu assado ao molho escabeth”, citou.

“O festival faz com que Cacoal apareça mais, as empresas tem se motivado mais a inovar. E isso tem fomentado o nosso setor. E nesse sentido, apostamos ainda mais nos ingredientes da nossa região, para incentivar a produção rondoniense”, reforçou Delmar Sepp.

PISCICULTURA

O trabalho de incentivo à criação do pirarucu de cativeiro é uma realidade em Rondônia. O Governo do Estado está investindo no trabalho de novas tecnologias para diminuir o custo de produção e também no incentivo para atrair investidores para processar o peixe, que tem carne nobre e mercado nacional e internacional garantido. O pirarucu é um dos maiores peixes de água doce do mundo, podendo atingir três metros e até 200 quilos. No Brasil, essa espécie nativa é encontrada nos rios da Bacia Amazônica.

Com este incentivo, Rondônia passou a liderar o ranking nacional da produção de peixes nativos de água doce em cativeiro. De 2010 até o final de 2014 houve um crescimento de 681%, saltando de 11 mil toneladas para mais de 75 mil. Já a expectativa para este ano é de que seja superado o patamar de 90 mil toneladas.

Fonte: Assessoria/Abrasel

Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

Deixe uma resposta