PM e segurança trocam tiros dentro de supermercado, uma pessoa morreu; vídeo

Queixa de barulho motivou discussão entre militar e segurança, diz delegado

Câmeras de segurança registraram o tiroteio que deixou uma pessoa morta e duas feridas no Supermercado Carrefour, no Setor Vila Bela, em Goiânia  (veja vídeo acima). Uma discussão entre um cabo da Polícia Militar e um guarda civil metropolitano – que também presta serviço como segurança do comércio – motivou o crime. O homem que morreu era funcionário do comércio. Já os baleados são o policial e um cliente.

O caso aconteceu no domingo (5). Em uma imagem da área de alimentação do supermercado, é possível ver quando várias pessoas começam a correr. Em seguida, o segurança Bruno da Silva Menezes, de 29 anos, aparece na porta do estabelecimento efetuando disparos e também correndo para o lado de dentro.

Os disparos feriram o cabo da PM Bruno Carili Horbylon, de 36 anos, que estava de folga no local. A Polícia Civil destacou que ambos trocaram tiros e foram encontradas cápsulas de armas calibres 380 e .40, que eles portavam.

O segurança não se feriu. Já o policial foi socorrido de helicóptero e levado para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) em estado grave. Um cliente, de 24 anos, também foi atingido de raspão e transportado à unidade de saúde, mas foi atendido e liberado em seguida.

Segundo o último boletim médico divulgado pelo Hugo, no domingo (6), o policial tem estado de saúde grave e passou por cirurgia.

Morte
O registro de outra câmera, já do lado de fora, mostra quando o funcionário do supermercado, Ari José dos Reis, de 56 anos, é baleado. De calça escura e camisa branca, ele aparece caminhando no estacionamento quando é ferido. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Segundo as investigações, ele não tinha nenhuma relação com a discussão entre o policial e o segurança. Alguns clientes aparecem nas imagens correndo desnorteadas, tentando se proteger.

Em nota, a assessoria de imprensa do Carrefour informou que o supermercado segue fechado até a conclusão da perícia. O comunicado destacou ainda que “a empresa segue à disposição das autoridades a fim de colaborar com as investigações, enquanto reforça seu compromisso com a segurança dos seus clientes, colaboradores e parceiros”.

Queixa por barulho

De acordo com o delegado Ernani Cazer, que esteve no local, uma reclamação por barulho motivou a discussão entre o policial militar e o segurança, que deu origem ao crime.

“Houve uma discussão ocasional em razão de um cliente estar fazendo barulho na área de alimentação. O policial começou a ter problemas com essa pessoa, o segurança chegou para apartar e teve a desavença entre eles”, explicou.

Ainda conforme Cazer, durante o desentendimento, o cabo saiu do estabelecimento e quando voltou, se encontrou com o segurança na porta de entrada. Após a troca de tiros, Bruno da Silva foi detido e conduzido para a delegacia.

Ao delegado, ele disse que foi empurrado e levou um soco no rosto do cabo. Em seguida, o militar sacou a arma, momento em que o segurança fez o mesmo e efetuou o disparou. Após o depoimento, o segurança foi liberado.

“Não tenho elementos para prendê-lo. Se o PM sacou a arma primeiro, tudo leva a crer, a priori, que seria legítima defesa. Depois, no decorrer da investigação, se acharmos que há motivo para a detenção dele, isso ocorrerá”, destaca Cazer.

O delegado disse que irá ouvir outras testemunhas e aguarda a perícia no local para embasar a investigação. Ele também aguarda a recuperação do policial para colher a versão dele sobre o caso.

O assessor de comunicação da PM, tenente-coronel Ricardo Mendes, destacou que o caso será acompanhado pela corregedoria da corporação.

Com G1

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta