fbpx
PMs são suspeitos de agredir travestis em bairro nobre de SP

Policiais militares que fazem a segurança particular de moradores da Cidade Jardim, bairro nobre na Zona Sul de São Paulo, são suspeitos de ofender, agredir e ameaçar de morte travestis que se prostituem em frente às mansões da região. A Polícia Civil está investigando o caso.

Como explica o “G1”, 24 travestis acusam oito PMs de usarem violência para eliminar a prostituição das imediações do Jockey Club. Eles estariam recebendo até R$ 5 mil por mês pelo trabalho. Vale mencionar que prostituição não é crime.

As travestis contaram à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) que os PMs sem farda vêm agredindo o grupo com socos, chutes e armas. Segundo elas, os seguranças atiram balas de borracha nas costas e nas nádegas delas, além de usarem bombas de efeito moral.

Como agentes da PM são proibidos de fazer “bicos” mesmo nas folgas, o caso também está sendo apurado na esfera administrativa pela Corregedoria da Polícia Militar (PM).

As vítimas alegam que, além de ilegal e violenta, a ação dos seguranças é higienista e transfóbica, pois contribuem para aumentar o preconceito em relação às travestis.

Fonte: noticiasaominuto

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Deixe uma resposta