Brasil

PMs suspeitos de matar Amarildo têm prisão decretada

PMs suspeitos de matar Amarildo têm prisão decretada

O juízo da 35ª Vara Criminal da Capital, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), aceitou a denúncia e decretou nesta sexta-feira (4) a prisão preventiva dos 10 policiais militares suspeitos de torturar e matar o ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, na Favela da Rocinha, Zona Sul do Rio. Amarildo de Souza desapareceu no dia 14 de julho, após ser levado à sede da UPP da Rocinha.
Os suspeitos vão responder judicialmente pelos crimes de tortura seguida de morte e ocultação de cadáver. São eles: Edson dos Santos, Luiz Felipe de Medeiros, Jairo da Conceição Ribas, Douglas Roberto Vital Machado, Marlon Campos Reis, Jorge Luiz Gonçalves Coelho, Victor Vinícius Pereira da Silva, Anderson César Soares Maia, Wellington Tavares da Silva e Fábio Brasil da Rocha.

Comandante transfere policiais
Os policiais militares indiciados pelo desaparecimento do ajudante de pedreiro serão transferidos para a Diretoria Geral de Pessoal (DGP) – a “geladeira” da PM, sem função e gratificação. O pedido foi feito pelo comandante-geral da corporação, coronel Luís Castro. A informação foi confirmada ao G1 pela polícia.
Segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora, os militares continuavam lotados na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, na Zona Sul do Rio, na manhã desta sexta-feira (4), porque a transferência depende de publicação em boletim oficial da corporação.
O Ministério Público do Rio de Janeiro recebeu na noite de terça (1º) o inqúerito da Divisão de Homicídios, que indiciou 10 policiais militares da UPP Rocinha, incluindo o major Edson Santos, ex-comandante da UPP da Rocinha, pelo desaparecimento de Amarildo. A informação foi dada com exclusividade pelo Jornal Nacional.
Todos foram indiciados pelos crimes de tortura seguida de morte e ocultação de cadáver. Eles serão encaminhados para a Diretoria Geral de Pessoal (DGP),sem função e gratificação, e passarão por um Inquérito Policial Militar (IPM), de acordo com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora.
Os policiais negam envolvimento no sumiço e dizem que liberaram Amarildo, no dia14 de julho, depois de constatar que não havia qualquer mandado de prisão contra ele. O promotor Homero Freitas, que está a frente do caso, informou que deve oferecer a denúncia à Justiça nos próximos dias.

Testemunhas deixam Rio
A terceira testemunha do caso Amarildo incluída no Programa Nacional de Proteção à Testemunha deixou o Rio de Janeironesta quinta-feira (3). De acordo com a polícia, ela é uma ex-moradora da Rocinha, na Zona Sul do Rio, que atuava como informante dos policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade e temia ser morta tanto por PMs quanto por traficantes. E afirmou o ajudante de pedreiro, desaparecido desde 14 de julho, tinha ligações com o tráfico.
Segundo a polícia, em seu depoimento na Divisão de Homicídios (DH), ela contou que Amarildo de Souza chegava a guardar chaves de casas usadas como esconderijo de armas e drogas. E admitiu ter avisado os policiais sobre a localização do ajudante de pedreiro no dia em que ele desapareceu.
Em setembro, mãe e filho, também moradores da Rocinha, já tinham sido retirados da cidade pela Polícia Federal. No primeiro depoimento, eles disseram que traficantes mataram Amarildo. No entanto, um mês depois, as testemunhas afirmaram ter sido coagidas pelo então comandante da UPP, Major Edson Santos, a dar essa versão em troca de dinheiro.

 

Fonte: G1

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Next article Saldo da poupança é o mais alto para meses de setembro
Previous article Livro inspirado em Total War Rome será lançado no Brasil

Related posts

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Você pode ser o primeiro a comentar esta postagem postar comentário!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta