Policial militar depõe sobre desaparecimento de embaixador grego

PM foi levado à Delegacia de Homicídios da Baixada durante a madrugada de sexta-feira. Polícia Civil, no entanto, não confirma envolvimento dele no caso

Um policial militar, lotado em uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), foi levado na madrugada desta sexta-feira (30) para prestar depoimento sobre o desaparecimento do embaixador da Grécia no Brasil, Kyriakos Amiridis. Os agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), que investiga o caso, não informaram se o PM estaria diretamente envolvido no caso.

Segundo policiais da DHBF, o depoimento do PM terminou por volta das 3h, hora em que seu advogado deixou a delegacia. O policial, no entanto, foi mantido na unidade pelo delegado, mas até o momento não há informações sobre o motivo pelo qual ele continua na delegacia. Agentes da especializada realizaram diligências para checar informações dadas pelo PM em seu depoimento.

Amiridis, de 59 anos, está desaparecido desde a última segunda-feira (26), quando saiu de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, em um carro alugado. O veículo foi encontrado incendiado, no fim da tarde de quinta-feira (29), com um corpo em seu interior. O cadáver está sendo periciado no Instituto Médico Legal de Nova Iguaçu.

Na manhã desta sexta-feira, a polícia confirmou que o carro encontrado sob um viaduto do Arco Metropolitano é o mesmo que o embaixador havia alugado, como noticiou a GloboNews.

Entenda o caso
A mulher de Amiridis comunicou o desaparecimento na quarta-feira (28), já que não conseguia contato com o marido desde segunda-feira. Inicialmente ela procurou a Polícia Federal, que repassou o caso à Polícia Civil do Rio. Segundo o delegado Evaristo Magalhães, da DHBF, a hipótese menos provável é a de sequestro, pois não houve nenhum contato com a família do embaixador para pedir resgate.

Kyriakos Amiridis assumiu o posto de embaixador da Grécia no Brasil no início deste ano. Sua ligação com o país, porém, é mais antiga: ele foi cônsul de seu país no Rio de Janeiro, entre 2001 e 2004, e é casado com uma brasileira, que tem família em Nova Iguaçu – razão pela qual o diplomata estava naquele município da Baixada quando desapareceu.

De acordo com a Embaixada da Grécia, o embaixador mora em Brasília, estava de férias e foi para o Rio passar as festas de fim de ano.

G1/RJ

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta