E ainda, Cira Moura segue no governo e as “fake news” do Diário da Amazônia e as de Confúcio

Ninguém entendeu

O governador Daniel Pereira deixou que Cira Moura, irmã de Confúcio Moura componha sua equipe. Ela está respondendo pela Secretaria de Ação Social (SEAS) e o clima por lá anda pesado. Cira é contumaz em assediar moralmente os servidores públicos e em pelo menos três ocasiões no passado recente a máquina governista, ainda sob o comando de seu irmão, conseguiu abafar denúncias, transferindo gente e ajeitando umas gratificações para que não fossem feitos registros. Uma das denúncias narrou episódios inclusive de alterações de voz por conta de suposto consumo de álcool em horário de expediente. Cira nem é uma técnica que preste serviço único, o que ela faz por lá, qualquer outra pessoa poderia fazer.

Daniel Pereira

Ainda não entendeu que tem coisas que precisam ser extirpadas do serviço público, e a família Moura inclui-se nessa relação. Já causou prejuízos demasiados ao Estado…

Aliás

Falando em Confúcio, nos últimos dias ele tem dado entrevistas à imprensa e em um desses programas de rádio fez o que ele chama de “balanço positivo de seu governo”. Chegou a dizer que logo no início de seu primeiro mandato recebia “propostas indecorosas”, mas que nunca respondeu a nenhuma delas. Mas ele de fato não precisava responder não, seu cunhado fazia isso. Respondeu tantas que acabou preso. Confúcio tem a incrível ousadia de tentar descolar os malfeitos de sua gestão da sua pessoa. Não Confúcio, conta a história direito, diz assim, “eu não respondia, mas tinha um pessoal que fazia isso por mim, o que rendeu cadeia e inúmeros processos”, fica mais bonito. E ficaria ainda melhor se seguisse o conselho de Ivo Cassol e passasse a pedir desculpas ao povo de Rondônia pelas lambanças que andou fazendo ao longo dos últimos sete anos e quatro meses.

Confúcio também

Resolveu dizer que estão criando notícias falsas a seu respeito. Por “fake news” ele quis dizer aquelas verdades que são publicadas e lhe incomodam, como o rombo deixado por ele em relação à dívida do Beron, os esquemas que foram revelados por seu ex-assessor José Batista, preso por corrupção e mais uma centena de rolos que vieram à tona, a maioria por aqui. Lembram do caso das desapropriações, do escândalo das empresa de consignados, da ponte do Anel Viário, das doações da JBS, da roubalheira no Espaço Alternativo, ufa…

Por falar em malfeitos

A CAERD, aquela companhia que Iacira Azamor a mando de Confúcio tentou inviabilizar de forma criminosa, vem conseguindo reagir graças a nova diretoria. Quer ver um exemplo? Em Porto Velho vinha faltando água sistematicamente em diversos pontos da cidade. A atual gestão, sob o comando do ex-vereador de Pimenta Bueno José Irineu conseguiu resolver a questão. Sabem qual era o problema? Na captação do Cai N’Água tem um encanamento flexível. Com o peso da água rompia-se a junção, e consequentemente o fornecimento era interrompido. Eles fizeram um suporte metálico que mantém o encanamento fixo e agora não rompe mais.

Com isso

A pressão da água aumentou em toda a cidade e vários lugares que não tinham, passaram a ter. A gestão de Iacira foi um dos casos mais escandalosos do governo de Confúcio Moura, o rombo deixado foi proposital. Para se ter uma idéia, a Caerd mantinha contratos de locação de veículos de luxo, de caminhões e camionetes que nunca tiveram uso, mas a empresa recebia mensalmente. A previsão de economia apenas com a extinção das gratificações e dos cargos comissionados, passa de R$ 1 milhão/mês. Nas próximas colunas vamos dar mais detalhes.

Devedores

A Caerd tem para receber apenas dos municípios onde atende, cerca de R$ 50 milhões. O rombo na empresa é de R$ 61 milhões. Além disso existe a inadimplência dos consumidores. A turma da Iacira não estava nem aí para esse tipo de coisa, já que a ordem era “quebrar geral”. Levantamentos preliminares apontam que a empresa é viável sim, o que falta é gestão e vontade governamental.

Registro

Nasceu na última quinta-feira, 14, Cecília, primeira filha do deputado federal Expedito Netto. É também a primeira neta da advogada Val Ferreira e do ex-senador Expedito Júnior.

Fake news

O jornal Diário da Amazônia está se tornando contumaz na produção de notícias duvidosas. A última pérola foi a que o senador Ivo Cassol teria se afastado do senado por “não conseguir responder a denúncias”(?) de onde tiraram isso cara-pálida? O afastamento de Cassol estava previsto a acontecer desde o ano passado, e chegamos a divulgar isso aqui mesmo na coluna, que ele se dedicaria a percorrer o Estado de olho nas eleições. Não gostar de Cassol é justo, mas inventar factóides para vender jornal que nem circula direito é esculachar com a imprensa. Tudo bem que a notícia não causou nenhum estrago, já que pouquíssimas pessoas se dão ao trabalho de comprar jornal em banca (quando acha), mas é apelação.

O que nos faz sentir coceira e por que queremos nos coçar?

É praticamente impossível ficar parado quando aquele comichão surge do nada. Mas de onde vem a sensação de coceira? E por que dificilmente conseguimos evitar nos coçar? O corpo reage a toxinas deixadas na pele – por exemplo, por insetos ou plantas – enviando substâncias químicas defensivas, como a histamina, à área irritada. É nesse momento que os sinais de coceira são enviados ao cérebro por terminações nervosas da pele. É o corpo reagindo a uma irritação – que pode ter várias causas. Entre elas, segundo a dermatologista britânica Anjali Mahto, há condições como “deficiência de ferro; para vegetarianos ou veganos, se tiverem baixos níveis de vitaminas ou nutrientes, como B12, e ácido fólico; se houver problemas com o funcionamento dos rins ou do fígado; se há um problema com o funcionamento da tireoide; a lista é longa”. Mas ela alerta ser importante saber “se há uma condição médica por trás disso”. Para isso, é necessário fazer um exame de sangue, explica. Além disso, sempre que possível, busque ajuda médica. Mas há dicas que você pode colocar em prática, como manter a pele refrescada, usar roupas de fibras naturais, passar hidratante e tomar anti-histamínicos. Também evite coçar demais o local, já que isso pode causar danos à pele. “Sua pele é uma barreira, mantendo as coisas boas para dentro e as coisas ruins para fora”, diz. “Se você coçá-la demais, suas unhas vão destruir essa barreira. É importante romper com esse ciclo vicioso de coçar a coceira”, acrescenta.

Alan Alex

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *