0

E ainda, brigar por emancipação de distrito é perda de tempo e depende do Congresso Nacional e da vontade do presidente e nenhum dos dois quer saber desse assunto

Cadê as explicações?

Na semana passada Rondônia entrou em um espiral de problemas relacionados a divulgação de uma conversa, gravada clandestinamente entre os deputados Maurão de Carvalho e Jesuíno Boabaid, sobre um plano para manter o governador Confúcio Moura no cargo. A “ameaça” foi anulada e Confúcio continua lá, sem dar explicações, esperando a “poeira abaixar”. Mas, isso está errado. Totalmente errado na verdade. Confúcio é um agente político, pago com dinheiro público e deve explicações sobre suas ações à sociedade, e principalmente aos quase 420 mil eleitores que o reelegeram em 2014.

Conta que não fecha

Com a “ameaça Maurão” anulada, se torna nulo qualquer discurso de “chantagem”, e para falar bem a verdade, a própria ameaça de Maurão e Jesuíno dificilmente iria adiante pelo fato do governo ter a maioria na Assembleia e que os deputados não querem saber de confusão em ano eleitoral. Quem puxar pela memória, vai lembrar que Valter Araújo mantinha um grupo dentro do parlamento pagando caro para isso, coisa que Maurão não tem. O problema da permanência de Confúcio é outro, e pode ter alguma relação com o senador Valdir Raupp ou coisa maior.

Confúcio

Deveria vir à público e explicar suas ações desrespeitosas e deve uma satisfação à sociedade. A recondução do Comando da PM que havia sido trocado por ele próprio não agradou a tropa e não trouxe benefício nenhum à população. Governo não é a “casa da Mãe Joana” e nem pertence a Confúcio Moura. Ele está governador, e apenas isso. E como tal deve explicações. Admira o silêncio da chamada “grande imprensa” que apenas aceita e acha que “é normal o governador mudar de idéia”. Não é. Nesse angu tem caroço e dos grandes.

Climão

E o pior que a situação criada por Confúcio gerou um desconforto sem precedentes tanto para o vice, Daniel Pereira, quando no Legislativo. Constrangimento desnecessário e sem nenhuma explicação.

Memória

Já se passaram sete anos desde a morte do deputado federal Eduardo Valverde. No dia 11 de março de 2011 um grave acidente, próximo a Jaru vitimou Valverde e Ely Bezerra, que seguiam para cumprir agenda no interior do Estado. Uma grande perda para Rondônia. Também já se passaram sete anos da morte do jornalista Paulo Queiroz, em 9 de março de 2011. Aquele foi um ano triste para todos.

No toco

Maquinário do DER sucateado de norte a sul do Estado. Essa é a realidade da frota de cerca de 400 equipamentos comprados desde que Confúcio assumiu em 2011. Foram adquiridos motoniveladoras, tratores de pneus e esteira, caçambas, patrols e grande parte desse acervo está sucateado. Pior, é do toco para o ferro velho. E agora o governo quer licitar a locação de equipamentos. E sabe quem vai pagar a conta das sucatas? Uma dica, se olhe no espelho.

Retrocesso sim

Imprimir o voto é uma bobagem sem tamanho, e esse debate surgiu após o esperneio de Aécio Neves em ter perdido a eleição em 2014 para Dilma Rousseff. Não houve fraude na eleição, houve um processo legítimo e deve ser respeitado. A impressão do voto é de uma inutilidade e desperdício de dinheiro público sem tamanho, e pior, sem nenhuma justificativa plausível. Ouve-se falar em fraude de urnas eletrônicas, mas nunca foi encontrada nenhuma prova disso. Os testes feitos pelo TSE mostram que os equipamentos são vulneráveis assim como qualquer outro dispositivo eletrônico é. Até mesmo os iPhones, considerados invioláveis são acessados através de softwares, mas para que isso ocorra é necessário que o interessado pague U$ 15 mil por dispositivo.

E não resolve

É preciso compreender que quem quer fraudar algo, o fará com voto impresso ou não. O Brasil realmente vem conseguindo o que se achava impossível, está andando de marcha a ré em várias áreas. Daqui a pouco algum “jênio” vai propor que façamos o processo eletivo em cédulas de papel tal qual era nos anos 80. Mas o mesmo “jênio” vai dizer, “nos Estados Unidos que é um país avançado os votos são em cédulas de papel”. Pois é, mas o sistema eleitoral americano é o mesmo desde a independência e a única coisa que mudou foi que negros e mulheres passaram a votar. O que funciona lá, não necessariamente funciona aqui.

Enlameado

O DNIT resolveu agir, e passou o trator na Avenida dos Imigrantes, em Porto Velho. Arrancou a capa asfáltica e…deixou todo mundo enlameado. O que estava ruim ficou pior. Resta saber quando eles vão concluir o serviço.

Marcando presença

Mariana Carvalho vem cumprindo agenda de campanha em Rondônia. Nos últimos dias, sempre na companhia do irmão vereador anda participando de eventos em vários pontos da cidade, participando de entrevistas e aferindo sua popularidade. Se sentir que decola, vai partir para o próximo passo, iniciar as conversações com outras legendas para definir vice e lançar candidatura ao governo. Como a coluna antecipou, o cenário está sendo montado e ela é uma personagem que pode ser protagonista.

Perda de tempo

Há anos que a população de Extrema, Nova Califórnia e Abunã brigam querendo a emancipação e cobram de deputados estaduais e vereadores uma solução. Vou dar uma explicação, não vai acontecer nem agora nem tão cedo. A emancipação depende do Congresso e existe uma fila de centenas de distritos que querem ser municípios. Se, hipoteticamente um conseguisse, todos seriam devido ao tratamento isonômico que deve ser dado a essas situações. Qualquer político que aparecer por essas bandas prometendo que “vai brigar pela emancipação” está “jogando para a galera”. Não adianta fechar a BR nem fazer confusão. É um assunto da esfera federal e a União não quer nem saber de contas novas.

Alimentos ultraprocessados aumentam a chance de câncer

Um estudo feito com mais de 100 mil pessoas comprovou: alimentos superprocessados aumentam a chance de formação de um tumor. O médico coordenador do núcleo de pesquisas epidemiológicas em nutrição da USP Carlos Monteiro e o oncologista Sergio Simon explicaram tudo no Bem Estar desta segunda-feira (12). O estudo avaliou os hábitos das pessoas entre 2009 e 2017 e verificou ao longo desse período que o aumento de 10% do consumo de alimentos ultraprocessados gerou um incremento de mais de 10% nos casos de câncer, especialmente o de mama. Não precisamos cortar os embutidos, mas comer com muita moderação. Os ultraprocessados, para garantir sabor na prateleira, têm de empregar muitos aditivos como corantes, espessantes, e abrir mão ou reduzir muito os ingredientes nobres, que são comida de verdade, e de seus nutrientes. Infelizmente não existe um alimento que, sozinho, nos proteja do câncer. O que se deve fazer é ter muitas hortaliças no prato em todas as refeições, mantê-lo bem colorido, além de preferir os grãos e farinhas integrais.

Alan Alex
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Isolado, Aécio Neves sofre resistência em Minas

Previous article

Coluna – “Professor não tem que trabalhar por salário, e sim por amor” é a proposta do governo para o Sintero

Next article

Comments

Participe do debate. Comente!

You may also like