E ainda, a candidatura de Daniel Pereira impulsionada pelos sindicatos e PODEMOS de Léo Moraes mostra sua força em evento

Na pressão

Daniel Pereira vai estar daqui a pouco no auditório do Hotel Flamboyant em Porto Velho onde participa do pré-lançamento de sua candidatura ao governo do Estado. O evento, organizado pelo Sindsef, sindicato que foi presidido por Daniel Pereira, vai reunir outras entidades que querem vê-lo candidato, e não o senador Acir Gurgacz, que tal qual Lula, insiste que consegue viabilizar seu registro. Até os bagres do Madeira sabem que essa possibilidade é praticamente nula, mas Gurgacz não quer dar o braço a torcer.

O que será dito

O governador deverá agradecer a confiança, reafirmar que só será candidato se Acir não for disputar e vai ser contestado por seus correligionários. O evento, promovido pelos sindicatos, é cirúrgico e tem apenas um objetivo, mostrar a Gurgacz que a candidatura de Daniel é viável e que o movimento sindical está fechado com ele, mas não com quem ele indicar. E a pressão dos sindicatos não pode ser desprezada. Não fosse a entrada de Daniel na campanha de Confúcio em 2014, a história teria sido bem diferente.

Tem tempo, e muito

Balela a conversa que Daniel Pereira não tem tempo para viabilizar uma candidatura à reeleição. Em 2014 quando foi escolhido para ser vice de Confúcio, ele conseguiu organizar toda a estrutura em torno da campanha em menos de 10 dias. Agora em 2018, com a máquina nas mãos e com uma equipe que está organizada desde o ano passado, Daniel consegue colocar o bloco na rua rapidamente. Engana-se quem aposta em sua inércia. Pereira tem potencial para reverter o jogo, basta oficializar sua candidatura e escolher um vice para somar. À conferir.

Do contra

Após a divulgação por PAINEL POLÍTICO sobre o evento desta noite, gente ligada a Acir Gurgacz, distorcendo uma informação dada pelo deputado estadual Cleiton Roque, tratou de espalhar que a  notícia era mentirosa, o que foi desmentido pelo próprio parlamentar. Na verdade a candidatura de Daniel assusta, e muito, já que ela tem potencial real para afetar o cenário político.

Tudo parado

O Tribunal de Justiça suspendeu, em medida cautelar, os decretos legislativos que impediam o executivo de criar 9 áreas de reserva ambiental em Rondônia. Com a concessão da medida tanto a lei quanto os decretos da ALE ficam suspenso até que ocorra análise do mérito do processo, isto é, o julgamento final da Ação Direta de Inconstitucionalidade. Para o desembargador Miguel Mônico, que havia pedido vistas ao processo, “a frívola e despropositada alegação da ALE de que haveria engessamento de toda a cadeia produtiva agropecuária claramente não procede, pois como o direito de propriedade, assim a como a política de meio ambiente, devem atender à proteção ambiental”.

O problema

É que os argumentos apresentados pela Assembleia talvez tenham sido confusos, ou não tenham constado alguns problemas reais com a criação dessas unidades, entre eles que o Estado terá que arcar com indenizações milionárias sem ter caixa para isso, além da expulsão de comunidades inteiras que estão instaladas há anos em algumas dessas áreas que foram irresponsavelmente criadas por Confúcio Moura e sua turma. Já em relação ao meio ambiente, é preciso levar em consideração que se houvesse preocupação real com esse segmento, nunca teriam sido permitidas a construção das usinas do Madeira, causadoras de estragos irreparáveis ao meio ambiente em Rondônia.

É quem paga a conta

O setor produtivo do Estado, e por isso leia-se pecuária, agricultura e extrativismo, é o principal responsável pela arrecadação do Estado. Em 2017, por exemplo, a agropecuária destacou-se com crescimento de 1,4% acima da inflação, equiparando Rondônia ao Paraná e superando o Espírito Santo. E os números só não foram melhores porque Confúcio e sua turma são ruins de serviço e mais atrapalham que ajudam. Criar áreas de reserva em um Estado que precisa é abrir mais espaços é uma incoerência, mais ou menos como matar a galinha que coloca ovos todos os dias para comer apenas uma noite. A criação dessas reservas só atende interesses externos, de gente que não vive em Rondônia e está longe de conhecer nossa realidade.

Mostrando força

O PODEMOS realizou encontro no sábado para mostrar sua nominata e assustou muita gente. Durante o evento, foi lançada a pré-candidatura de Léo Moraes a deputado federal e os pré-candidatos a deputados estaduais. O PODEMOS é de longe o partido com mais chances de construir uma bancada forte na Assembleia. O evento serviu ainda para mostrar que Léo Moraes atingiu a maioridade política, organizando uma nominata coesa.

Enquanto isso

A candidatura de Marcos Rogério ao Senado começa a mostrar sinais que vai azedar na última hora.

Registro

Faleceu nesta segunda-feira uma das fundadoras da Igreja Presbiteriana de Porto Velho, dona Ana Benvinda Pereira. A primeira reunião da Presbiteriana aconteceu na varanda de sua residência, em 3 de agosto de 1961. Ela permaneceu na irmandade até sua morte. O velório foi na Igreja e o enterro no cemitério dos Inocentes, onde foi enterrado seu marido Daniel Pereira. Ela deixou duas filhas e 8 netos.

Casos de hepatite A crescem 73% no Brasil

O Brasil apresentou uma alta de 73% nos casos de hepatite A em 2017 em comparação ao ano anterior. Foram 2.086 casos confirmados da doença, contra 1.206 em 2016. O estado de São Paulo puxou esse crescimento nos números, segundo o boletim divulgado pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (5), e representou 53% das infecções – foram 1.108, sendo que 701 ocorreram na capital paulista. A vacina de hepatite A está disponível pelo Sistema Único de Saúde e a recomendação de aplicação é para crianças de um a quatro anos de idade, além de pessoas vivendo com hepatites B, C ou HIV. O tipo A da doença, no entanto, sempre concentrou mais casos nas regiões Norte e Nordeste do país. Juntas, elas representam 56,2% das infecções confirmadas entre 1999 a 2017. O Sudeste, neste apanhado de mais de 15 anos, tem 17,1% dos registros. Apesar do crescimento dos casos do tipo A, o maior número de notificações ainda é de hepatite C, que apresentou 11,9 casos para cada 100 mil habitantes, com 24.460 pessoas infectadas. No total, foram 40.198 registros de hepatites virais (A, B, C e D) em 2017. Ao longo da história, a hepatite B foi o tipo com maior número de registros no país, com 37,1% das infecções, seguida pela hepatite C, com 34,2%, e da A, com 28%. A hepatite D apresentou poucos casos no Brasil, apenas 0,7% do total. A distribuição dos casos varia entre as regiões. O Nordeste apresenta a maior proporção das infecções pelo vírus A (30,6%). No Sudeste está maior concentração do tipo B e C, com 35,2% e 60,9% dos casos registrados.

Alan Alex

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

1 Resultado

  1. Roberto disse:

    Bom dia, alguma previsão de quando será esse julgamento final sobre a criação das reservas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *