Politica nacional

Daniel Pereira fala sobre grampo e atual cenário político e diz que só é candidato se Acir Gurgacz não for

0

Em entrevista ao jornalista Paulo Andreoli, do site Rondoniaovivo na noite da última quinta-feira, após retornar à Rondônia depois de cumprir agenda em São Paulo (viajou comprando a passagem com dinheiro do próprio bolso, segundo informou sua assessoria), o vice-governador de Rondônia, Daniel Pereira (PSB) falou sobre o atual momento político, a gravação da conversa entre os deputados estaduais Jesuíno Boabaid e Maurão de Carvalho, que conspiravam uma suposta extorsão contra o governador Confúcio Moura (PARA ENTENDER, CLIQUE AQUI), e reafirmou que só disputa o cargo de governador se o senador Acir Gurgacz (PDT) não for candidato.

Segundo Daniel, existe um compromisso político com o senador, que sempre o apoiou e ele pretende cumprir até o fim. Pereira se refere ao fato do senador ter sido um de seus mais ferrenhos defensores quando ele foi indicado para vice de Confúcio. Daniel também deixou claro que o governador só foi reeleito graças ao ingresso dele (Daniel) na campanha, “é inegável que o ex-senador Expedito Júnior tem um forte apelo junto aos servidores públicos graças a seu empenho na questão da transposição. E eu tive que colocar meus mais de 20 anos de luta sindical para convencer parte desse segmento a votar em Confúcio e nós conseguimos reelege-lo”.

Sobre Maurão de Carvalho, Pereira afirma que “respeita a história de Maurão e sempre o teve como parceiro e apoiava o projeto de candidatura do deputado a governo”. Daniel afirmou que “convidava Maurão para todas as suas agendas pelo interior e não precisava” e reafirmou que “nunca quis ser candidato à nada, as coisas simplesmente acontecem”.

O vice-governador confirmou duas informações dadas em primeira mão pela coluna PAINEL POLÍTICO, a de que assumiria o governo no dia 12 de março e que sua última conversa com Confúcio Moura havia sido na quarta-feira da semana passada, “conversamos pela manhã e viajei para Brasília à tarde. Na quinta-feira ele me mandou uma mensagem dizendo que atrasaria a minha posse, aconteceria dia 14 em função de uma reunião no dia 12 no Iperon. No sábado, eu ainda em Brasília, recebo a notícia por um site ligado ao Chefe da Casa Civil que o governador estava exonerando pessoas que ele próprio havia nomeado dias antes e eu não entendi mais nada e até hoje (quinta-feira, 8) não conversei com ele”.

Assista abaixo a íntegra da entrevista:

Alan Alex
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Coluna – Mariana Carvalho “aperta” para lançar seu nome ao governo e Expedito pode ser traído

Página anterior

Aos 19 anos, ex-vendedor de óculos administra verba de R$ 473 milhões por ano no Ministério do Trabalho de Temer

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar