Politica nacional

Lula tenta novo habeas corpus para não ser preso e ainda não informou se vai se entregar

0

O ex-presidente passou a noite na sede do Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo

Atualização 8h20 – Lula descansou entre 2h30 e 7h desta sexta-feira, 6, sozinho, em uma das salas da sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Por volta das 8h, Lula tomava seu café da manhã em local privado, no segundo andar do prédio.

Segundo a assessoria do ex-presidente, ele “acordou bem” e, ao longo da manhã, vai retomar a agenda de receber visitantes. Até o momento, não há previsão de Lula conceder entrevista nem de falar com os militantes que estão no local para apoiá-lo.

Atualização 8h15 – O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, já chegou à sede do sindicato para conversar com Lula. Há uma possibilidade de Haddad dar entrevista após o encontro.

Habeas corpus

Após o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, determinar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se apresente “voluntariamente” à Polícia Federal em Curitiba, base da Operação Lava, nesta sexta-feira, 6, a defesa dele entrou com mais um pedido de habeas corpus para evitar a prisão.

De acordo com o corpo de advogados que representa o ex-presidente, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) antecipou a possibilidade de execução da pena antes mesmo de o Supremo Tribunal Federal (STF) publicar o acórdão do julgamento do habeas corpus.

A votação terminou nesta quinta-feira, 5, por 6 a 5, e negou a possibilidade de Lula continuar em liberdade ate o final do julgamento em última instância.

Ainda não se sabe quando o novo pedido de habeas corpus da defesa será julgado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ainda nesta quinta-feira, um advogado de São Paulo pediu um outro HC ao STJ, que será analisado pelo ministro Felix Fischer, da Quinta Turma da Corte.

Madrugada

Lula passou a noite no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, acompanhado dos filhos e correligionários. Até o momento, ele não informou se vai se entregar no prazo determinado pelo juiz Moro, se vai aguardar o cumprimento do mandado de prisão ou se pretende resistir. Ele não discursou no carro de som durante o ato da noite de quinta, apenas acenou por volta das 2h desta sexta e desceu para cumprimentar alguns aliados.

A ex-presidente Dilma Rousseff, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e os candidatos à Presidência Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PC do B) estiveram presentes ontem à noite no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em apoio ao petista. Moradores de ocupação do MTST em São Bernardo também fizeram caminhada até o local. Contudo, durante a madrugada, o número de apoiadores caiu. Eles prometem voltar ao local ao longo do dia. Às 7h desta sexta, não havia movimentação em frente ao prédio do sindicato.

Prisão

O ex-presidente Lula  disse ao jornalista Kennedy Alencar, da rádio CBN, que o juiz federal Sérgio Moro tomou a decisão de pedir sua prisão em razão da apresentação em Brasília de um pedido ao ministro Marco Aurélio Melo, no âmbito da declaração de constitucionalidade sobre segunda instância, ao qual o ministro tinha se mostrado favorável.

Advogados do PEN, capitaneados pelo criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, pediram nesta quinta-feira, 5, ao STF uma medida cautelar para permitir a execução provisória de pena, como a prisão, após uma decisão do STJ, tese defendida pelos ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli no julgamento do habeas corpus de Lula.

“O sonho de consumo desse pessoal e do Moro é me manter pelo menos um dia preso. Moro aposta na radicalização. Mas estou calmo e sereno”, disse Lula, segundo relato do jornalista.

O ex-presidente argumentou que havia um recurso que seria julgado até o dia 9. O ex-presidente disse também que vai aguardar orientação dos advogados para ver se vai se apresentar nesta sexta.

Estadão

Foto: WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Alan Alex
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Coluna – Policiais Militares e Civis em desvio de função terão que trabalhar na segurança pública

Página anterior

MST já faz bloqueios em estradas de ao menos nove Estados; integrante foi baleada na PB

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar