0

E elogiou o atual governador, “limpou aquela turma de quadrilheiros”

Num discurso na noite desta quarta-feira (16), na tribuna do Senado, o senador Ivo Cassol (Progressistas-RO) voltou a criticar a gestão de Confúcio Moura como governador de Rondônia. O parlamentar citou o endividamento do estado, fez denúncias sobre irregularidades em dispensas de licitações para a compra de conteineres que serviriam de salas de aula e acrescentou que o ex-governador não deveria se candidatar ao Senado. “Em vez de o senhor andar lançando uma pré-candidatura ao Senado ou a chefe de quarteirão, ande no Estado, sim, ande nos quatro cantos e peça perdão ao povo do meu Estado. Assuma que foi incompetente e diga ao povo que foi desonesto. Faça isso, é o mínimo que pode fazer”, afirmou Casol.

Caerd

Cassol também criticou a péssima situação financeira da Caerd deixada pelo ex-governador que não realizou os investimentos necessários gerando graves prejuízos ao povo de Rondônia.  “A Caerd, hoje, deve em torno de R$1,2 bilhão. Se tivesse investido esses R$600 milhões, a fundo achado, mais a concessão, não teríamos dívida nenhuma. Iríamos vender a Caerd ao troco de seis por meia dúzia. Hoje, não. Além de perder esse dinheiro, ainda por cima temos que pagar R$1,2 bilhão dessa conta. Vocês estão pensando que sou eu que vou pagar? Não! Somos nós.  Essa é a gestão maldita, essa é a gestão incompetente, essa é a gestão desonesta do ex-governador Confúcio Moura e sua tropa de quadrilha, que roubaram os cofres públicos”, disse.

Beron

Cassol voltou a questionar a decisão do governo anterior que assumiu a dívida do Beron antes do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal. “O Confúcio Moura assinou todos os termos aditivos, assinaram já a confissão da dívida. Eu espero que o Supremo não leve em conta esses aditivos, eu espero que o Supremo não leve em conta essa assunção da dívida que não é nossa elevando de R$2 bilhões o banco Beron para mais de R$7,8 bilhões”, denunciou.

Educação

Cassol enfatizou o descaso com a educação do estado e comemorou a decisão do atual governador Daniel Pereira de suspender licitações para que contêineres fossem transformados em salas de aula. “Contêiner é para transporte de carga. É de ferro. Imagine! Até nas UPPs do Rio de Janeiro não deu certo. Imagine no meu Estado, na Região Norte, um contêiner! É um caixão de 12 metros de comprimento, 4 metros de altura e 2,4 metros de largura. Imaginem botar alunos lá dentro! Denunciei aqui da tribuna desta Casa esse absurdo”, reafirmou.

Ao encerrar o discurso, o senador Cassol disse que com o atual endividamento do estado, herança de Confúcio Moura, o próximo governador ficará inviabilizado e sem ter a menor condição de fazer investimentos para melhorar a situação do povo. “Você sabe qual é o total da dívida do Estado de Rondônia dos governos passados? Não faço parte nenhuma disso, porque não deixei dívida para trás, só repassei aquilo que recebi. É de 19 bilhões. Vocês sabem o que Confúcio Moura fez com o Tesouro Nacional, o reparcelamento? Ele inviabilizou o Governo do Estado nos próximos 4 anos. Ele colocou uma parcela mensal, de 848 milhões, 20% da receita bruta. Quer dizer, o próximo governador do Estado de Rondônia não vai conseguir fazer nada, só vai ser um governador de gestão de folha de pagamento”, encerrou. 

Alan Alex
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Coluna – Congressistas querem chamar venenos da agricultura de “defensivos fitossanitários”, e o câncer será só seu

Previous article

Pastor afirma “Satanás está na justiça eleitoral” vereador rebate “ele ganhava 4 mil com a Donadon”

Next article

Comments

Participe do debate. Comente!

You may also like

More in Capa