O governo descarrilou, mas o presidente acredita que ainda tem força

A paralisação dos caminhoneiros chega hoje ao décimo dia. O movimento tem futuro incerto, mas já conseguiu o que parecia impossível: enfraqueceu ainda mais o governo de Michel Temer.

O Planalto ficou de joelhos. Entregou tudo o que os grevistas pediram e não conseguiu mandá-los de volta ao trabalho. O combustível começou a voltar aos postos, mas a situação ainda está longe da normalidade.

Ontem, quem circulou no Rio e em São Paulo voltou a se deparar com ruas vazias. Ainda faltam mercadorias nas bancas de feira e prateleiras de supermercado. Em ao menos três estados, hospitais suspenderam parte das cirurgias.

A Polícia Rodoviária Federal fez um jogo de palavras para maquiar seu balanço das estradas. Deixou de falar em “bloqueios” e passou a contabilizar “pontos de concentração” de caminhoneiros. À noite, ainda eram 616 espalhados pelo país.

O governo mostra outros sinais de desorientação. Um dia depois de admitir o aumento de impostos, o ministro da Fazenda foi obrigado a recuar. Dobrou-se à pressão do presidente da Câmara, que o chamou de “irresponsável”.

A guinada de Rodrigo Maia é um símbolo do movimento em curso no Congresso. Ele e outros aliados tentam se descolar do governo para evitar o próprio naufrágio nas eleições. Até os mais fiéis se escondem dos microfones, enquanto o presidente apanha nas tribunas do Senado e da Câmara.

Só Temer defende Temer. Ontem ele mostrou que continua com a autoestima em dia. Em discurso para investidores estrangeiros, indicou não ter dimensão dos efeitos da crise sobre a economia. “Atingimos este que era o nosso objetivo número um: recolocar o Brasil nos trilhos”, disse.

O governo descarrilou, mas o presidente acredita que ainda tem força. “Quando alguns rejeitam o diálogo e tentam parar o Brasil, nós exercemos a autoridade para preservar a ordem”, afirmou.

A quatro meses das eleições, a oposição discute se vale a pena pressionar pelo afastamento do presidente. Um líder partidário resolveu pedir a lista dos pedidos de impeachment na gaveta de Rodrigo Maia. No momento, são 27.

Por Bernardo Mello Franco – O Globo

Alan Alex

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *