0

Divulgados os resultados das eleições 2018, já é possível concluir que a Câmara dos Deputados e o Senado Federal devem apresentar, em 2019, as maiores taxas de renovação das últimas décadas, com uma maioria de deputados federais e senadores sem mandato conquistando uma cadeira na Congresso. Só no Senado, a renovação política chegou à taxa de 85%, a maior de toda a história da Casa.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de cada quatro senadores que tentaram a reeleição neste ano, três não conseguiram. Essa estatística transforma as eleições de 2018 nas mais surpreendentes de toda a história recente do País. A renovação política é tanta que das 54 vagas em disputa neste ano, 46 serão ocupadas por novos políticos.

Vale ressaltar que, além das trocas de senadores já decorrentes das eleições parlamentares ocorridas ontem, as disputas pelos governos estaduais também vão causar movimentação nas cadeiras da Casa. Afinal, muitos senadores concorreram a cargos de governadores, ainda na metade dos seus respectivos mandatos.

Nesse contexto, duas trocas no senado já estão garantidas e outras duas ainda podem acontecer no segundo turno das eleições. Com isso, o Senado pode ter 50 novos nomes assumindo cadeiras por lá em 2019, uma mudança inédita de mais de 61% da Casa, já que as eleições foram uma disputa por dois terços das vagas totais.

Nessas eleições, tenha sido registrado o maior número de candidaturas à reeleição que já se viu: foram 32, ou quase 60% dos senadores cujo mandato chega ao fim no próximo mês de fevereiro. Apenas quatro estados não lançaram nenhum senador à reeleição, e nove lançaram os dois.

Porém, apenas oito das 54 vagas que entraram na disputa serão ocupadas por candidatos que disputaram reeleição: a menor taxa anotada nas cinco eleições pós-redemocratização que colocaram em disputa dois terços das vagas do Senado.

De todos os nove estados com dois senadores na disputa, absolutamente nenhum viu ambos retornarem. Em cinco dos casos, inclusive, nenhum dos dois senadores conseguiu se reeleger.

Outra característica do novo Senado é a fragmentação, dado que o número de partidos representados crescerá de 18 para 21.

Das cinco maiores bancadas que devem começar a sessão legislativa de 2019, três perderam parlamentares em relação a 2015. O PT sofreu o maior revés: uma queda de 13 para 6 senadores, seguido do MDB (de 18 para 12) e do PSDB, que passou de 11 para 9 representantes. O DEM cresceu de 5 para 6 senadores, enquanto a representação do PSD saltou de 4 para 7.

Além disso, com a renovação política apresentada nas eleições, a bancada feminina na Casa deverá diminuir a partir de 2019. Atualmente são 13 senadoras, mas apenas quatro ainda terão mandato a partir do ano que vem. Sete foram eleitas e, caso Fátima Bezerra (PT-RN) não se eleja governadora do Rio Grande do Norte, serão 11 o total de senadoras a partir de 2019.

Mandato vai depender da Mesa

Com essa renovação, vai ficar difícil para o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) permanecer no mandato. Ele foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal por crime contra o sistema financeiro nacional e o mandato de prisão pode ser cumprido já nesta terça-feira.

A perda do mandato, porém, dependerá da Mesa Diretora que pode decidir essa questão este ano, ou deixar para que a próxima resolva. Caso isso ocorra, em função do momento político, dificilmente Gurgacz cumpriria os próximos quatro anos de mandato.

Alan Alex
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Janaína Paschoal é a deputada estadual mais bem votada na história

Previous article

PT e PSL são os que mais elegeram para a Câmara dos Deputados

Next article

Comments

Participe do debate. Comente!

You may also like

More in Capa