Política regional

TSE decide nesta quinta-feira futuro da gestão Donadon em Vilhena

0

Prefeita Rosani Donadon concorreu com liminar e, se cassada, município terá nova eleição

Condenada nas eleições de 2008 por abuso de poder econômico e captação ilícita de votos, a atual prefeita de Vilhena, eleita em 2016, Rosani Donadon pode perder o mandato nesta quinta-feira, 12, em julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em Brasília. Nas eleições de 2016, ela concorreu sob liminar e, caso seja cassada, será convocada nova eleição em Vilhena.

A discussão se concentra sobre o vencimento do prazo de inelegibilidade após a data da eleição pode ser considerado fato superveniente apto a afastar a inelegibilidade. Em 2008, segundo o Ministério Público Federal, “às 19h, na “Chácara Rizadinha”, em Vilhena-RO, os recorrentes reuniram-se com aproximadamente 250 pessoas para pedir votos para os então candidatos a Prefeito e Vice-Prefeita, Melki Donadon e Rosani Donadon, e vereador, João Batista, aproveitando-se do fato de ter sido o loteamento daquela área regularizado pela prefeitura de Vilhena. Segundo a inicial, a reunião, de mero caráter informativo, acabou por se tornar verdadeiro comício eleitoral, com a participação ativa do Prefeito Marlon Donadon e do Presidente da Associação dos Sem-teto (ASSOSETE), Ercival Stédile de Freitas, transmitindo-se, ainda, a idéia de que, para a efetiva realização das benfeitorias e obras no local, fazia-se necessário eleger os recorrentes Melki, Rosani e João Batista”.

Na época, o Magistrado da 4ª Zona Eleitoral de Vilhena condenou os recorrentes pela prática de conduta vedada, captação ilícita de sufrágio e abuso do poder político e econômico. Aos recorrentes foram impostas as sanções de inelegibilidade por três anos, multa individual de 10.000 (dez mil) UFIR e cassação de diploma de João Batista Gonçalves (eleito a 1º suplente de vereador), assim como, declarada a nulidade dos votos recebidos por Melki, Rosani e João Batista.

Mas aí entra em jogo duas situações, a Lei da Ficha Limpa, que aumenta a condenação para 8 anos e a aplicabilidade da mesma para casos anteriores a 2010, o que já foi validado pelo Supremo Tribunal Federal. Aplicando a Lei da Ficha Limpa, a inelegibilidade de Rosani Donadon valia até o dia 05 de outubro de 2016, ocorre que s eleições foram no dia 2 de outubro.

De acordo com o advogado Nelson Canedo, que representa a Coligação “Pra Fazer a Diferença”, que recorreu contra a liminar da prefeita, a possibilidade dela ser cassada é de 50%, “a lei é muito clara, e acreditamos que o TSE vai convocar novas eleições no município”, declarou.

O julgamento começa às 9 da manhã (horário de Brasília) e as sessões são transmitidas pelo canal do TSE no Youtube (https://www.youtube.com/user/justicaeleitoral).

Alan Alex
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Coluna – Oferta de pagamento em dinheiro para credor do MDB tem que ser investigado

Página anterior

PGR pede que investigações contra Confúcio sejam encaminhadas para primeira instância

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar