Por falta de imigrantes, Trump libera lote de 15 mil vistos

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira (17/7) 15 mil novas concessões de vistos para trabalhadores sazonais de baixa renda para o restante do ano fiscal americano. A decisão, uma surpresa diante da política do presidente Donald Trump de só se contratar pessoas nascidas no país, parece atender ao lobby de áreas como pesca, hotelaria, entre outras indústrias que dependem de mão de obra estrangeira.

A mudança representa um aumento de cerca de 45% no número de vistos H-2B, normalmente emitidos na segunda metade do ano fiscal, informou uma autoridade do departamento. Esses documentos são para pessoas que buscam empregos temporários de pesca, turismo, paisagismo, construção e outras indústrias sazonais, mas não para trabalhadores rurais.

Os empreendedores podem começar a requisitar os vistos esta semana, mas primeiro precisam comprovar que suas empresas poderiam sofrer “danos irreparáveis” se não contratarem essa mão de obra estrangeira.

Será pedido a eles que apresentem documentos provando que não seriam, de outra maneira, capazes de atender suas obrigações contratuais ou que evidenciem severas perdas, explicou o departamento.

Questionado sobre como a permissão a trabalhadores estrangeiros se alinha à política de Trump, a fonte do governo afirmou que o aumento dos vistos “cumpre absolutamente” as promessas de campanha do presidente.

“Estamos falando de negócios americanos que estão sob risco de sofrer danos irreparáveis se eles não conseguirem esses trabalhadores H-2B adicionais”, alerta. “Isso ajuda os negócios americanos a continuar a prosperar.”

Outra fonte do departamento afirmou que o governo tomou essa decisão após “considerar o interesse dos trabalhadores americanos” e criou uma linha para denúncias de abuso ou exploração de trabalhadores. “O secretário John Kelly está comprometido com os trabalhadores americanos e com o fortalecimento de nosso sistema de imigração”, afirmou uma funcionária do departamento — os funcionários entrevistados pediram para não terem seus nomes publicados.

As petições das empresas serão revisadas à medida que forem chegando, sem considerar uma indústria em detrimento da outra, localização geográfica ou tamanho. Dado que o verão já está na metade e esse processo normalmente leva cerca de 30 a 60 dias, o departamento recomendou que os requerentes paguem uma taxa de US$ 1.225 (R$ 3,9 mil) para uma expedição rápida de até 15 dias.

“No entanto, essa decisão já pode ter chegado tarde demais para alguns processadores de frutos do mar que recolhem ostras, caranguejo ou iscas de pesca”, salienta diretor executivo da empresa Virginia Marine Products Board, Mike Hutt, que representa a indústria de frutos do mar do Estado. “Isso poderia ser uma luz no fim do túnel. Mas nós estamos em julho e algumas dessas companhias ainda não têm trabalhadores.”

A falta de trabalhadores já provocou o fechamento de pelo menos uma companhia americana, segundo Hutt. O empresário explicou que esses trabalhadores são fundamentais também para outros setores, como no transporte, na embalagem e na refrigeração dos frutos do mar.

O Congresso americano abriu o caminho para o aumento das emissões de visto H-2B em maio, quando aprovou o orçamento geral para evitar o encerramento das atividades do governo. Parte do acordo dava ao secretário de Segurança Interna a autoridade para aumentar o número de trabalhadores sazonais.

Fonte: metropoles.com

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Deixe uma resposta