fbpx
Por que as pessoas não desapegam de empregos que as deixam infelizes?

John Eades é CEO da LearnLoft, empresa focada em aprendizado à distância. Em uma matéria para o portal Inc, no qual ele é colunista, o executivo fala sobre um fenômeno percebido por ele: o dos funcionáros que continuam a trabalhar em um local em que se sentem infelizes.

Pensando nos motivos que levavam as pessoas a se desmotivar no que fazem, mas mesmo assim permanecer na empresa, Eades elaborou quatro fatores que contribuem para que essa situação se prolongue:

1. Apreço pela estabilidade

Como Eades explica, não é tão difícil assim encontrar gente que só está em um emprego por causa do salário ou benefícios (boa parte de força de trabalho, se formos ser sinceros). E isso fica mais evidente quando já existe um padrão de vida estabelecido e trocar de empresa poderia colocá-lo em risco.

Essa relação fica mais fácil de explicar nos casos de pessoas que, por detestarem o que fazem, não procuraram evoluir suas habilidades junto com o mercado de trabalho da sua área e, com um pouco de razão, acreditam que não conseguirão um emprego que mantenha a qualidade de vida que elas estão acostumadas a ter.

2. Não encontram sentido no que fazem

Em uma pesquisa conduzida pela Gallup em diversos países no qual se revelou que 87% dos colaboradores não estão engajados em seus trabalhos. Enquanto existem diversos fatores que indicam engajamento, uma das principais razões é que as pessoas não entendem o porquê elas fazem o que fazem. E quando não se encontra um propósito para o seu trabalho, é mais difícil ter satisfação real nas atividades realizadas no dia a dia.

3. Acham que não conseguem fazer outra coisa

Eades comenta que é mais difícil abandonar um trabalho — mesmo um que você se força todo o dia para ir — quando você não tem idéia do que você quer fazer. E que, ao passar dos anos, ele viu muitas pessoas reclamando da sua atual situação mas não fazendo nada para sair dela, se formado um círculo vicioso.

4. Não conhecem lideranças inspiradoras

O último motivo apontado por Eades do por que pessoas ficam em um trabalho que não gostam é a falta de líderes inspiradores em seu ambiente de trabalho.

A falta de grande liderança pode ser dividida em duas áreas:

Cultura pobre (problema relacionado à liderança executiva);
Gerente ruim (alguém que gerencia, mas não lidera).

É fácil culpar a pessoa que há tempos está insatisfeita com o seu trabalho, porém não faz nada para mudar essa situação. Mas, neste caso, o erro não está no colaborador. A culpa recai em um dos pontos apresentados acima – a falta de interesse das lideranças em criar uma cultura positiva e leve no ambiente de trabalho ou o gerente direto que não soube implementar os valores da empresa.

Por último, Eades reconhece que os pontos que ele elencou não são fáceis de ler, especialmente para donos de empresas, que sempre enxergam sua empresa por uma ótica mais positiva. Mas ele destaca que, em alguns casos, a culpa pela falta de interesse se origina muito mais de um ambiente que não motiva do que um funcionário-problema.

The Brief

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta