• Homepage
  • >
  • Interior
  • >
  • Prefeitos têm dificuldades nos índices com gasto de pessoal

Prefeitos têm dificuldades nos índices com gasto de pessoal

Ultrapassar os limites prudenciais de cumprimento da aplicação de gastos com pessoal pode levar prefeitos a incorrerem em sanções da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e se tornarem “fichas sujas”. Ante à possibilidade quase iminente de não conseguirem fechar as contas municipais dentro dos percentuais recomendados em Lei, os gestores têm cortado gratificações e revogado portarias e subsídios de secretários pela metade, além de, renunciar seis meses o próprio salário. Em busca de saídas legais, a Associação Rondoniense de Municípios (Arom) escancarou a situação ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Conforme o monitoramento da AROM, municípios que fizeram previsão anual orçamentária de R$ 24 milhões fecharão em cerca de R$ 18 milhões, por exemplo. Isso porque, a receita esperada não tem correspondido com as expectativas de arrecadações anunciadas pelo Tesouro Nacional, em razão das danosas isenções tributárias do governo federal. Para a entidade, a solução imediata seria o aumento da receita, que é ínfima diante das despesas com folha. O maior agravante é a imprevisibilidade de reação positiva para melhorar os repasses de ICMS.

O presidente da Arom e prefeito de Mirante da Serra, Vitorino Cherque, repassou a preocupação dos administradores ao presidente do TCE, conselheiro José Euler Potyguara e à procuradora-geral do Ministério Público de Contas, Érika Patrícia Saldanha. Na audiência, o municipalista informou ao órgão sobre os esforços que os gestores têm feito para não findar o exercício em situação contrária à LRF. Além de levar a preocupação dos municípios, a associação propôs ao Tribunal encontrarem juntos uma medida remediadora, para evitar punições aos prefeitos em detrimento de um problema econômico nacional.

Colhendo a propositura da Arom e ouvindo as justificativas dos participantes da reunião, o presidente do TCE e a procuradora de contas deixaram claro que o Tribunal reconhece o teor das providências que estão sendo tomadas pelos prefeitos. Contudo, ressaltam, os exames são de nível técnico e as análises são documentais, para avaliar as medidas de adequação aos limites impostos na Lei. O conselheiro salientou a importância em conversar com a representatividade do municipalismo sugerindo que mais informações técnicas sobre a real situação das prefeituras podem contribuir para a atuação do TCE.

Da reunião no gabinete da Presidência do TCE, ocorrida nesta terça-feira (15), também participaram o vice-prefeito de Mirante da Serra, Pastor Jandir Louzada, o vereador Ermes Nunes, de Mirante da Serra, o vice-prefeito de Machadinho do Oeste, Celso Coelho, acompanhado do assessor técnico do município, Solivam Oliveira.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Anterior «
Próximo »

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

  • twitter
  • googleplus

Deixe uma resposta

Direto de Brasília