Presidente da Eletrobrás diz que grupo tem 40% de chefes ‘vagabundos’

Durante discussão de um plano de reestruturação que ocasionará no corte de metade dos funcionários da Eletrobras, o presidente da estatal, Wilson Ferreira Júnior, causou mal-estar entre sindicalistas ao se referir a 40% da chefia da empresa como “vagabundos” e “safados” no último dia 1º. A repercussão da fala levou o presidente da estatal a pedir desculpas e os sindicatos a promoverem uma greve de 24 horas na quinta-feira (22).

“São 40% da Eletrobras. 40% de cara que é inútil, não serve para nada, ganhando uma gratificação, um telefone, uma vaga de garagem, uma secretária. Vocês me perdoem. A sociedade não pode pagar por vagabundo, em particular, no serviço público”, disse Ferreira no áudio. O presidente ainda justifica os cortes da estatal ao dizer que “temos muito mais gerentes do que precisa. Temos um monte de safado, lamentavelmente, que ganha lá 30, 40 paus (mil reais). Tá lá em cima, sentadinho”.

Questionada pelo G1, a empresa disse, em nota, que o presidente “reconhece que usou algumas expressões rudes em áudio divulgada pelos sindicatos” e que “os áudios foram tirados do contexto”. Disse ainda que durante discussão de um possível plano voluntário de demissões, “o presidente elencou diversas situações inaceitáveis dentro de uma empresa do porte da Eletrobrás, como falta de comprometimento de alguns gerentes” (leia nota na íntegra no fim da reportagem).

Ao anunciar os cortes na última quarta-feira (21), o presidente da elétrica disse que a redução do quadro e outros cortes de custos, além da venda de imóveis administrativos e de distribuidoras de energia do grupo, prevista para até o final do ano, deverão gerar uma economia anual de R$ 2,5 bilhões para a companhia.

A Eletrobras passa por uma enorme crise financeira iniciada no final de 2012, quando aderiu a um pacote de medidas do governo federal para reduzir as tarifas de eletricidade. Atualmente com 23 mil trabalhadores, a Eletrobrás deverá chegar ao final de seu processo de reestruturação com 12 mil empregados.

Nota na íntegra da Eletrobrás:

“O presidente da Eletrobras reconhece que usou algumas expressões rudes em áudio divulgado pelos sindicatos. Por isso fez questão de gravar um vídeo interno para todos os colaboradores da empresa, esclarecendo a situação e pedindo desculpas. Cabe esclarecer, porém, que os áudios foram tirados do contexto. O presidente estava apresentando aos sindicatos a reestruturação da companhia, com o respectivo corte de cargos comissionados, o Plano de Aposentadoria Extraordinária, a privatização das distribuidoras e um futuro Plano de Incentivo ao Desligamento, quando o Centro de Serviços Compartilhados estiver implementado. Durante a exposição, em que os sindicatos ameaçaram entrar na justiça contra as privatizações e se mostraram contrários ao plano de desligamento voluntário para o CSC, o presidente elencou diversas situações inaceitáveis dentro de uma empresa do porte da Eletrobras, como falta de comprometimento de alguns gerentes, descaso com as metas da companhia e, até mesmo, fraudes envolvendo o sistema de catracas, que registram o ponto. Por isso, com o intuito de alertar aos sindicatos para que eles também se manifestem contra esse tipo de comportamento indevido, o presidente usou de maior veemência.”

Fonte: g1.com

Deixe uma resposta