Presos eram liberados em troca de propina e favores sexuais

Entre os detidos estão advogados e servidores da Superintendência Executiva de Administração Penitenciária; fraudes aconteciam no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia

Polícia Civil de Goiás cumpriu, na manhã desta quarta-feira (19), 134 mandados de prisão durante a operação para apurar fraudes no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

De acordo com a polícia, o esquema consistia em troca de propina na liberação irregular de presos, por meio de falsificação de alvarás, de decisões judiciais e atestados médicos. Além de dinheiro, a troca de favores sexuais virou moeda para pagamento por serviços prestados.

Entre os presos estão advogados e servidores da Superintendência Executiva de Administração Penitenciária (Seap).

“Trata-se de uma fraude sistêmica, onde todos os envolvidos obtinham lucros”, informou a Secretaria de Segurança Pública (SSP). Do total de 134 mandatos, 35 eram de prisão preventiva e 28 de prisões temporárias. Os demais, de busca e apreensão.

Jornal O Tempo (MG) com Agência Estado

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário