“A pressa no julgamento não pode ser uma coisa ruim”, diz Roberto Podval sobre Lula

Um dos principais criminalistas do país conversou nesta segunda-feira com PAINEL POLÍTICO sobre o atual momento que o Brasil atravessa em relação às polêmicas envolvendo Judiciário, Executivo e Legislativo. No dia em que o Supremo arquivou um inquérito contra o senador Romero Jucá (MDB-RR), Roberto Podval falou sobre a crise entre os poderes, segurança, e a forma como o STF vem conduzindo questões como a prisão após condenação em segundo grau.

Para Podval, atravessamos uma das crises mais sérias da história, de total desarmonia entre os poderes, “o judiciário sofre uma ruptura, já que é chamado para resolver um problema que talvez não seja capaz de resolver, temos três poderes de certa forma, sem orientação entre eles. A sociedade vive uma certa histeria”. (você confere essa fala nos 10 primeiros minutos do áudio).

Lula, TRF4 e ações contra jornalista

Ao ser questionado sobre as ações movidas por magistrados contra jornalistas (episódio ocorrido em 2016, no Paraná) e as críticas por alguns segmentos sobre a “velocidade” no julgamento do ex-presidente Lula pelo TRF4, o criminalista afirmou que “a pressa no julgamento não pode ser uma coisa ruim. Se o julgamento foi tendencioso ou não, aí é outra coisa, mas não vou entrar no mérito. Precisávamos de uma definiç!ao, afinal ele pode ser presidente do país”. (a partir dos 12 minutos)

Prisão em segundo grau

“É um absurdo. A Constituição é clara em falar que você deve cumprir a pena após o trânsito em julgado”. De acordo com o criminalista, a leitura toda foi equivocada. Uma coisa que era uma exceção à regra, agora é uma regra à exceção. (a partir dos 14 minutos).

Julgamento de recurso de Lula no STF

Ao ser questionado sobre a decisão da ministra Cármen Lúcia de não colocar na pauta de julgamentos do Supremo a prisão em segundo grau, Podval foi enfático, “é um absurdo, ela dizer assim, não vou pautar porque mudar em função do Lula é apequenar o Supremo. E não pautar? eu diria que é pior, porque uma coisa é pautar, decidir e tocar a vida, mas ela diz ‘há como tem risco de ser a favor dele eu não vou pautar, então você está sendo contra ele?” (a partir dos 19 minutos).

Exposição do STF e mídia

Sou contra a TV Justiça, demoram os julgamentos, todos se sentem obrigados a explicar o voto. Falta agilidade, e na minha opinião a TV Justiça atrapalha.

Confira abaixo a entrevista na íntegra, um bate papo de 32 minutos sobre o atual momento do país, onde ele fala ainda sobre Gilmar Mendes, STF, Sérgio Moro, Lula, José Dirceu Petrobrás e polêmicas.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário