fbpx
Primeiro processo de adoção internacional é concluído em Rondônia
O Poder Judiciário por meio da Comissão Estadual Judiciária de Adoção(Ceja/RO) concluiu a primeira habilitação de adoção internacional em Rondônia. Uma menina foi adotada legalmente pela tia, que vive nos Estados Unidos da América.

Segundo a mãe (tia), a relação com a filha começou ainda na gestão da mãe biológica, que a teve com 16 anos e optou por não cuidar dela. “Na época eu era madrinha e apaixonada, então começou a surgir o amor materno”, conta a brasileira que é naturalizada norte-americana. Ela diz que sempre arcou com as despesas desde que a menina tinha oito meses de idade. “Depois dos oito anos, ela pediu para morar comigo, e entrei com o processo de adoção”.

Esse processo foi a primeira habilitação internacional concluída e deferida pela CEJA de Rondônia. “Isso agrega experiência para a Comissão, já que teremos mais facilidade para lidar com os trâmites do processo de adoção internacional”, pontua Caroline da Silva Modesto, secretária executiva da CEJA/RO.

Processo de adoção internacional

Apesar de se tratar de adoção interfamiliar, a pretendente à adoção mora no exterior. Por isso, deve ser levado em conta que cada país tem suas leis e normas.

O estrangeiro ou brasileiro residente no exterior que tenha interesse em adotar em Rondônia deve ingressar com pedido na CEJA, que funciona na Corregedoria-Geral da Justiça, em Porto Velho, para protocolar o pedido de habilitação, acompanhado dos documentos descritos no art. 52, I, do Estatuto da Criança e dos Adolescente (ECA), arts. 14 e 15, da Convenção de Haia, e art. 21, do Regimento Interno da Comissão.
“Antes eu não queria ir por causa da minha avó. Era e está sendo muito difícil. Mas eu tô muito ansiosa para ir”, conclui a pequena Beatriz, primeira de muitas crianças que esperam ser adotadas legalmente e começar uma nova história.

Fonte: TJ-RO

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta