Princípio de motim é registrado em presídio de Cacoal, RO, após revista

In Rondônia
Princípio de motim é registrado em presídio de Cacoal, RO, após revista
Espalhe essa informação

Grupo de presos tentou quebrar grades e paredes das celas.
Na revista, foram apreendidas drogas, celulares e várias facas artesanais.

Um princípio de motim foi registrado no mini presídio de Cacoal (RO), a 480 quilômetros de Porto Velho, na última segunda-feira (9), após uma revista realizada no local. Conforme a direção da unidade prisional, um grupo de presos tentou quebrar grades e paredes das celas, mas foram contidos por agentes penitenciários e policiais militares. Não houve feridos. Durante a revista, foram apreendidos celulares, drogas e várias facas artesanais. Dez apenados que teriam iniciado o ato serão transferidos.

Conforme o diretor do mini presídio, Fabiano Cardoso, por recomendação da Secretaria de Justiça de Rondônia (Sejus), após as rebeliões ocorridas nos estados do Amazonas (AM) e Roraima (RR), estão sendo realizadas revistas gerais nos presídios do estado.

Em Cacoal, a ação foi realizada na segunda-feira, com o apoio da Polícia Militar (PM) e dos agentes penitenciários que estavam de folga. Durante a revista foram encontrados oito celulares, dez facas artesanais e drogas. Após a ação, houve um princípio de motim, onde alguns apenados tentaram quebrar grades e paredes, mas foram contidos.

“Eles não gostaram da ação e começaram a fazer barulho e quebrar as celas. Para conter a revolta, chamamos os agentes e a PM de novo e colocamos todos os detentos no pátio até que a situação fosse controlada. Durante esse período também foi feito a manutenção das paredes e grades que haviam sido danificadas”, explicou.

Ainda de acordo com a direção da unidade, ninguém se feriu durante a ação e, após a revista, cerca de dez apenados que iniciaram o motim foram transferidos para presídios de cidades da região. “Essa é uma recomendação da Sejus, e com estas medidas, a secretaria espera inibir possíveis motins nos presídios do estado de Rondônia”, aponta.

Superlotação

A situação no mini presídio de Cacoal não é diferente do sistema carcerário brasileiro. A superlotação também é uma realidade presente na unidade. Segundo a direção, o complexo prisional tem capacidade de abrigar no máximo 170 detentos, mas atualmente possui 315 pessoas, ou seja, quase o dobro do recomendado.

Raio-x

No dia de visita aos detentos que estão presos no presídio, os agentes encontram com frequência drogas e celulares camuflados ou escondidos em partes íntimas do corpo. Para o coibir este tipo de ação, na próxima semana, deve ser instalado na unidade uma máquina de raio-x, facilitando a identificação de objetos e drogas.

Revistas

Na última sexta-feira (6), revistas foram feitas em presídios de Ji-Paraná (RO). Em Porto Velho, dois presídios tiveram celas revistas no último domingo (8). Os agentes encontraram 18 celulares, 16 chips, 19 facas e 2 chuchos (armas artesanais), além de drogas.

Para evitar que conflitos, como as ocorridas no Amazonas e em Roraima, aconteçam nos presídios rondonienses, a secretária adjunta da Sejus, Sirlene Bastos, informou que o Estado colocou a Segurança em alerta, intensificando as revistas no interior dos presídios e tratando com mais rigor a política de acesso, por visitantes, ao sistema prisional.

Fonte: g1.com

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

You may also read!

PM vai "blindar" casa de Temer e diz que impedirá bloqueios em vias de SP durante protesto

PM vai “blindar” casa de Temer e diz que impedirá bloqueios em vias de SP durante protesto

Espalhe essa informação “Não é a primeira vez que uma manifestação tem como destino a casa do presidente. As

Read More...
Na véspera da greve geral, Força Nacional desempacota bombas de gás em Brasília

Na véspera da greve geral, Força Nacional desempacota bombas de gás em Brasília

Espalhe essa informação As proximidades do Congresso também foram gradeadas nesta quinta-feira com objetivo de isolar a Câmara e

Read More...
Empresa da filha de Donald Trump é acusada de usar trabalho escravo

Empresa da filha de Donald Trump é acusada de usar trabalho escravo

Espalhe essa informação Semanas com 60 horas de jornada e pagamento de US$ 1 (R$ 3,18) por hora são

Read More...

Deixe uma resposta

Mobile Sliding Menu