Procuradoria da República pede volta de goleiro Bruno à prisão

In Direito & Justiça
Espalhe essa informação

STF pode analisar o caso na semana que vem. Ele está solto desde fevereiro

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a revogação da decisão que libertou o goleiro Bruno Fernandes da prisão. A liminar que deu liberdade ao jogador foi concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello em fevereiro. Mas o caso mudou de relator e está agora no gabinete do ministro Alexandre de Moraes, que já o liberou para julgamento. O habeas corpus está na pauta da sessão da próxima terça-feira da Primeira Turma do STF.

Bruno — que já defendeu o Flamengo e hoje está no Boa, time de Minas Gerais que disputa a segunda divisão do Campeonato Brasileiro — foi condenado pelo assassinato de Eliza.

Samudio, com quem teve um filho. O tribunal do júri de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, lhe aplicou uma pena de 22 anos e três meses, mas não houve confirmação ainda da condenação na segunda instância. Por isso, Marco Aurélio determinou que ele tivesse o direito de recorrer em liberdade.

Eliza Samudio foi morta e corpo nunca foi encontrado. Bruno foi condenado como mandante do crime
Eliza Samudio foi morta e corpo nunca foi encontrado. Bruno foi condenado como mandante do crime

Janot destacou que o processo está demorando para ser analisado na segunda instância em razão de recursos da própria defesa, o que vem postergando o julgamento. E acrescentou: “Anote-se que a execução provisória da pena se deu a pedido da própria defesa, na ocasião do recurso de apelação. Isso reforça a ausência de prejuízo ao sentenciado, que pode postular os benefícios previstos na Lei de Execução Penal.”

Janot apresentou também um argumento de ordem técnica para que o goleiro volte a prisão. Antes da decisão de Marco Aurélio, Bruno teve um pedido de liberdade negado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O procurador-geral da República disse que não cabe apresentar habeas corpus contra decisão tomada por outro ministro de tribunal superior.

O caso estava inicialmente com o ministro Teori Zavascki, que morreu em janeiro em um acidente aéreo. Como se tratava de medida urgente — pedido de liberdade a alguém que se encontra preso sem condenação definitiva —, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, o encaminhou a Marco Aurélio. Com a chegada de Moares ao tribunal na vaga deixada por Zavascki, ele herdou a maioria dos processos de seu antecessor, incluindo o habeas corpus de Bruno.

Além de Marco Aurélio e Moraes, a Primeira Turma é composta por mais três ministros: Luiz Fux, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso. As decisões são tomadas por maioria de votos.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

You may also read!

Embriagado, PM é preso após causar dois acidentes, em Porto Velho

Espalhe essa informação O Sd PM RE 9164-8 Danilo Martins Benicio, lotado na CIA de Guarda, foi preso e

Read More...
Trinta e seis pessoas são detidas em atos contra reformas em São Paulo

Trinta e seis pessoas são detidas em atos contra reformas em São Paulo

Espalhe essa informação Na capital, foram 21 detidos em atos concentrados em duas regiões da cidade. Motivos para prisões

Read More...
PF amplia cerco à cúpula do PMDB no Senado

PF amplia cerco à cúpula do PMDB no Senado

Espalhe essa informação Foram cumpridos mandados de busca e apreensão contra suspeitos de operar recebimento de propina em contratos

Read More...

Deixe uma resposta

Mobile Sliding Menu