Produção de veículos sobe, mas venda cai em janeiro, diz Anfavea

A indústria automobilística produziu 174 mil veículos em janeiro, uma alta de 17,1% em comparação com janeiro de 2016.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, esse avanço no ritmo de produção mostra
que os fabricantes se preparam para dias melhores de vendas tanto no mercado interno quanto para exportação.

O ritmo das linhas de montagem diminuiu 12,9% em janeiro, entretanto, na comparação com dezembro, quando 199,8 mil veículos foram produzidos no país.

O volume de estoque no mês passado subiu em relação ao fim de 2016 — passou de 176,2 mil para 186,4 mil unidades.

Vendas em queda

No entanto, o presidente da Anfavea disse que a entidade “frustrou­se” com o resultado de vendas de veículos em janeiro na comparação com o mesmo mês do ano passado. O licenciamento de 147,2 mil unidades em todo o país representou uma retração de 5,2% no intervalo comparativo.

O dirigente lembrou que janeiro de 2015 já foi ruim, com queda de 38% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Segundo Megale, o setor esperava neste mês um início de estabilização. Essa expectativa, no entanto, ficou agora para o primeiro trimestre.

Megale considerou ainda “dramática” a situação do mercado de caminhões, que registrou uma queda de 33,3% em janeiro na comparação com um ano atrás, num total de 2,9 mil unidades. “Esperamos que, com a boa safra, a situação comece a mudar”, disse.

Exportações

O mercado externo continua a ajudar a indústria automobilística a compensar a baixa demanda no mercado interno. O mês passado foi o melhor janeiro para exportações de veículos produzidos no Brasil. Foram embarcados 37,1 mil unidades, uma alta de 56% na comparação com janeiro de 2016. Para este ano, a Anfavea prevê um aumento de 7,2% no faturamento com exportações.

A exportação de veículos no primeiro mês do ano somou US$ 666,3 milhões, uma alta de 50,8% na comparação com o mesmo período de 2016. A Argentina continua a ser o principal destino das vendas externas das montadoras. Mas, com a estabilidade cambial, muitos fabricantes começam a conquistar novos destinos, como países africanos e do Oriente Médio.

Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

Deixe uma resposta