fbpx
Propina no Corinthians será apurada; time quer cobrar prejuízos da Odebrecht

Inaugurada no dia 18 de maio de 2014, em uma derrota do Corinthians por 1 a 0 para o Figueirense, a Arena de Itaquera foi sede da abertura e de outros cinco jogos da Copa do Mundo daquele ano

A diretoria do Corinthians emitiu uma nota no começo da tarde dessa terça-feira abordando assuntos ligados à 26ª fase da operação Lava Jato, que tem o pagamento de propinas na construção da Arena de Itaquera como alvo. O clube afirmou que as obras do estádio ainda não foram concluídas pela construtora Odebrecht e assegurou que está apurando internamente quaisquer irregularidades que tenham sido cometidas pela empreiteira e possam ter lesado a instituição alvinegra.

“A Instituição tomará todas as providências a si cabíveis para punir os responsáveis, bem como diligenciar para que todos os prejuízos causados ao Clube e à Arena Corinthians sejam ressarcidos”, diz o comunicado. De acordo com a diretoria, o Corinthians encontra-se na “fase final da contratação de uma auditoria completa em relação às áreas de elétrica, hidráulica, TI e infraestrutura total” do estádio.

Também foi enviado à Odebrecht, segundo o Corinthians, um relatório de acompanhamento da obra para que haja a “confrontação” do que foi “efetivamente executado pela construtora”. “Os valores correspondentes a itens previstos no Contrato de Construção – EPC e que não tenham sido realizados pela construtora serão objeto de abatimento junto ao SCCP, estando os mesmos, ainda, em fase de verificação final, observando-se que servirão de motivação para o ressarcimento dos prejuízos causados à Arena Corinthians e, consequentemente, ao Clube”.

Inaugurada no dia 18 de maio de 2014, em uma derrota do Corinthians por 1 a 0 para o Figueirense, a Arena de Itaquera foi sede da abertura e de outros cinco jogos da Copa do Mundo daquele ano. A 26ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Xepa, apurou que a construção do estádio foi viabilizada mediante o pagamento de propinas pela Odebrecht.

Entre os destinatários de pagamentos irregulares estaria o vice-presidente do Corinthians, André Luiz de Oliveira, o André Negão. A Polícia Federal suspeita que ele tenha recebido R$ 500 mil em propinas pagas pela Odrebecht. O dirigente foi alvo de uma condução coercitiva (quando a pessoa é obrigada a depor) na manhã dessa terça-feira e acabou preso em flagrante por posse ilegal de arma. O armamento sem licença foi encontrado na casa de Negão quando os agentes federais faziam buscas.

Veja abaixo a íntegra da nota divulgada pelo Corinthians:

“O SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA vem a público, por meio da presente NOTA OFICIAL, esclarecer que:

1. Até o momento, o SCCP ainda não assinou o Certificado de Aceitação Final da Obra (CAF) da Arena Corinthians, o que significa dizer que a Obra não foi, inclusive contratualmente, dada por concluída pelo SCCP;

2. O SCCP solicitou e recebeu Relatório de Acompanhamento da Obra das empresas de arquitetura para confrontação entre o contratado pelo Clube e o efetivamente executado pela construtora; Relatório este que já foi enviado à construtora para que preste esclarecimentos;

3. O SCCP vem executando uma verificação de engenharia com profissionais técnicos e independentes, e encontra-se na fase final da contratação de uma auditoria completa em relação às áreas de elétrica, hidráulica, TI e infraestrutura total da Arena Corinthians;

4. Os valores correspondentes a itens previstos no Contrato de Construção – EPC e que não tenham sido realizados pela construtora serão objeto de abatimento junto ao SCCP, estando os mesmos, ainda, em fase de verificação final, observando-se que servirão de motivação para o ressarcimento dos prejuízos causados à Arena Corinthians e, consequentemente, ao Clube;

5. O Sport Club Corinthians Paulista atesta por meio desta que quaisquer irregularidades ou desvios de conduta, constatados por autoridades ou não, serão devidamente apurados, e a Instituição tomará todas as providências a si cabíveis para punir os responsáveis, bem como diligenciar para que todos os prejuízos causados ao Clube e à Arena Corinthians sejam ressarcidos.

O que for justo e correto, sempre será a busca do Corinthians, em respeito ao seu torcedor e ao Brasil.”

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta