Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

PSDB decide destituir Bonifácio de Andrada da CCJ da Câmara

Após impasse com escolha de tucano, liderança alega que indicação causa constrangimentos ao partido e aprofunda divisões internas

0

BRASÍLIA – Após mais de uma hora de reunião nesta manhã de quinta-feira, 5, a cúpula do PSDB decidiu destituir o deputado Bonifácio de Andrada (MG) da vaga de suplente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Como o mineiro não abdicou da relatoria da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, o partido vai sugerir ao presidente do colegiado, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), que ofereça uma das vagas dos partidos aliados para abrigar Bonifácio. Sem uma dessas vagas, o tucano mineiro ficaria fora da comissão, o que obrigaria Pacheco a escolher outro relator.

O impasse já dura uma semana, desde que Pacheco indicou o tucano como relator. “Em função da importância do trabalho do deputado, ele [Pacheco] cederia uma vaga de seu partido, por exemplo”, afirmou o presidente em exercício do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE).

Tasso e o líder da bancada, deputado tucano Ricardo Tripoli (SP) destacaram os conhecimentos jurídicos de Bonifácio, mas ponderaram que a sua permanência como relator numa vaga do PSDB causa constrangimentos e aprofunda a divisão entre os tucanos. “Uma solução seria o desligamento do deputado [da vaga tucana] em acordo com o presidente da CCJ. Obviamente, deve ser uma vaga de um outro partido que possa [vir a ] acomodá-lo [Bonifácio]. Ele, tecnicamente, em função dos conhecimentos que tem, fará o relatório. Mas não pelo PSDB”, disse Tripoli.

Uma das soluções aventadas ontem foi a possibilidade de Bonifácio se licenciar oficialmente do partido, mas a medida foi descartada na reunião desta manhã. Os tucanos ficaram incomodados com a declaração de Bonifácio na quarta-feira, em que ele disse que a Câmara era maior do que os partidos. Hoje, durante entrevista Tasso ponderou que o parlamentar também tem vínculos partidários a respeitar. “Ele tem obrigações com o partido também”, observou Tasso.

Fonte: O Estado de S. Paulo

 

Comentários
Carregando